Outeiro Seco - AQI...

Tempo Outeiro Seco
Segunda-feira, 30 de Setembro de 2013

Achados - Objectos Religiosos - Imagem de São Miguel

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 29 de Setembro de 2013

Vamos até Montalegre - Raça Barrosã

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 28 de Setembro de 2013

Igreja de São Miguel

 

 

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 27 de Setembro de 2013

Outros Olhares - J.B.César

 

 

Relembramos que quem quiser ver o extenso trabalho do J.B.César, pode visitar a sua página indicada na barra lateral ou seguir esta ligação:

http://www.jbcesar.com/

 

Para colaborar, envie os seus olhares para jhumbertoferreira@sapo.pt. Obrigado. Berto

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 26 de Setembro de 2013

Cabritas

 

 

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 25 de Setembro de 2013

Igreja de São Miguel

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 24 de Setembro de 2013

Cavalo

 

 

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Legislação de Interesse

 

Declarações de Inscrição no Registo/Início, Alterações e Cessação de Atividade

Portaria 290/2013 23/09/2013

Aprova os novos modelos e as respetivas instruções de preenchimento das declarações de inscrição no registo/início, alterações e cessação de atividade e revoga a Portaria n.º 210/2007, de 20 de fevereiro

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:01

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 23 de Setembro de 2013

Bogalhos

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 22 de Setembro de 2013

Mentiras eleitorais - IV

 

Por fim e, para não estarmos aqui a vida toda a descortinar mentiras dos ilustres políticos, vamos ser mais rápidos apontando mais algumas falsidades que prejudicaram e prejudicam a nossa Aldeia.

 

Vamos começar sem qualquer ordem específica, pois umas sobrepõem-se às outras, ou melhor, umas tentam remendar as outras. AQI ficam mais algumas.

 

Esgotos

Num dos famosos boletins municipais, que já aqui publicamos, o joão batista referia perante a Ministra do Ambiente e, por ocasião da inauguração de uma estação de tratamento de águas residuais, que naquela época o concelho de Chaves estava todo servido pela rede de saneamentos. Claro que a Ministra não se preocupou em saber se era verdade ou não, o que quis foi aparecer na fotografia, tal como o joão e quem cá fique que se desenrasque.

 

 

No entanto todos na nossa Aldeia sabem a verdade, incluindo as Entidades responsáveis. Muitas habitações ainda hoje não são servidas pela rede de saneamento e ainda existe o caso dos esgotos em Vale Salgueiro, provenientes dos parques empresariais que estão a ser lançados nas linhas de água sem qualquer tratamento, de que todos também têm conhecimento, sendo que uns nada dizem e a maioria consente e é conivente com a situação, não por falta de avisos e de informação disponibilizada, porque a têm.

 

Em relação a este aspecto e, fazendo fé nas actas da CMChaves, foi adjudicada à nossa Aldeia (Junta de Freguesia) o montante de 23.000,00 euros afectos à rubrica de saneamento. Por isso, se se cumprir o que está escrito e o dinheiro não for desviado para outras rubricas, poderão dar início à resolução desses problemas.

 

 

Neste assunto também são responsáveis o frança e o joão maria. Ambos estiveram como “gestores” (entenda-se ocupadores de tachos), nos parques empresariais e tinham pleno conhecimento da situação. Este último, que ficou conhecido nos meios de comunicação social por acumular o referido tacho com outro na Escola de Enfermagem, ainda continua nos parques e o “trabalho” que tem realizado com tanta “competência” é tão notório que muitos já o confundem com o seu sinónimo: nulo. O primeiro, é outro saltão e vai ocupando tachos à medida que vai vencendo os prazos de permanência nos anteriores. É muito conhecido na nossa Aldeia, por fazer parte da Junta de Freguesia e pelo “trabalho” nela realizado. Também ficou conhecido tal como os seus amigos, por ser um indivíduo desonesto, falso, mentiroso, que gosta de se aproveitar do trabalho dos outros e pelo qual ainda tem a lata de receber. Mas essa “gente” é assim.

 

Parceria com a Iberdrola

Numa parceria entre a Secretaria de Estado da Cultura, a Junta de Castela e Leão e a Fundação Iberdrola, definiram o Plano de Intervenção do Românico Atlântico, no qual a CMChaves também tinha parte na vaca em contrapartida de deixar destruir parte do Rio Tâmega.

 

 

Em compensação, a que se sabe e veio a público pelo menos, porque entre eles lá fazem as suas “estrangeirinhas”, recuperariam vários monumentos, estando incluída na nossa Aldeia a Igreja de Nossa Senhora da Azinheira. Até hoje não se soube mais nada e o meu palpite é que se ficaram pelas “estrangeirinhas”.

 

Visita do coelho a empresas de Chaves

Noutros tempos, os caçadores que o vissem por Vale Salgueiro, encarregar-se-iam de o deixar bem chumbado. Hoje como a poluição é tanta naquela área, nem caça há. Em resumo, safou-se de boa.

 

No entanto, como não poderia deixar de ser, o acontecimento também foi mediatizado e estampado no boletim municipal de Junho, mas com mais umas mentiras e omissões pelo meio.

 

Primeiro quero deixar claro que em relação a empresa VitroChaves do Sr. Joaquim Chaves e irmãos, não tenho nada contra. É uma boa empresa, gerida por excelentes pessoas que sabem o que lhes custou chegar onde estão.

 

Quanto à outra empresa espanhola já a conversa não é a mesma. São públicas as pressões que exercem sobre os funcionários e a desconsideração que têm pelos mesmos.

 

Pior, é o local onde a CMChaves permitiu que se instalassem. Todos sabem que qualquer empresa que não seja “afilhada” da CMChaves terá de pagar (só) 30,00 euros por m2 e realizar as obras por sua conta e risco. A não ser que tenham alterado o regulamento há pouco, essas premissas mantém-se.

 

 

No entanto, as instalações onde essa empresa foi instalada foram-lhe cedidas gratuitamente. Deve ser mais importante do que as empresas locais.

 

Mas o problema surge porque instalaram a empresa num espaço que se chama Mercado Abastecedor (instalações não industriais), que depois da experiência bem sucedida da lota seca, ficou às moscas.

 

E digo que é um problema, porque no meu entender é ilegal. O Código das Expropriações define claramente que um bem que é expropriado para um determinado fim, não pode ser utilizado para um fim diverso daquele que fundamentou a expropriação.

 

Sendo que aqueles terrenos foram expropriados para ali instalar o Mercado Abastecedor, o fim último deve ser este, e não podem instalar lá uma unidade industrial conforme os gostos do freguês. Para além do mais, tenho as minhas dúvidas quanto ao licenciamento dessas mesmas instalações para fins industriais.

 

 

Será que informaram o coelho que estava a visitar uma empresa industrial, instalada ilegalmente num espaço destinado a um fim diverso?

 

Será que estando em Vale Salgueiro, informaram o coelho da não existência de tratamento dos esgotos e que os mesmos estavam/estão a ser lançados nas linhas de água e a contaminar os terrenos?

 

Será que o coelho não se questionou porque há ainda tanta área abandonada e sem qualquer manutenção e ainda submeteram a medidas preventivas uma área idêntica para ampliação?

 

E embora houvesse muito mais para dizer, ficamos por aqui. Que cada um tire as suas próprias conclusões. E como nunca é demais avisar, quando estiverem perto de algum deles, cuidado com as carteiras.

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
Sábado, 21 de Setembro de 2013

Mentiras eleitorais - III

 

A seguir vêm as mentiras do penas. Até parecia bom rapaz, mas para que os seus mestres lhe permitam acompanhá-los também teve de plasmar mais meia dúzia de mentiras na edição de 29-07-2011 do semanário “A Voz de Chaves”.

 

Ficaram famosas algumas das suas afirmações, sobretudo aquelas que referem limpezas de seis em seis meses, o cumprimento das normas de segurança e higiene e a realização, àquela data, de operações urbanísticas de regularização.

 

Até ficamos arrepiados com a intensidade da “verdade” imbuída nas suas palavras e se nos deslocarmos aos locais referidos, ainda mais. É incrível a precisão com que falam e implementam as suas afirmações. Ia a dizer que parecem relógios suíços, mas cá na Aldeia é melhor ficarmos com a precisão dos relógios de sol em tempo de chuva.

 

Fica então a reprodução do artigo para AQI, sendo que as fotos são do próprio artigo.

 

___________________

 

 

Edição de 29-07-2011 do semanário “A Voz de Chaves”

 

Lixo ainda é visível na “Mina” de Outeiro Seco, mas Câmara garante efectuar limpezas periódicas

 

Após mais de 30 anos a acumular lixos indevidos, ainda há resíduos encobertos no lugar da “Mina”, em Outeiro Seco, e quem tema que ameace as habitações com risco de incêndio. Contudo, o proprietário do terreno, a Câmara de Chaves, garante ter tudo sobre controlo com limpezas de seis em seis meses. O espaço encontra-se vedado e a autarquia faz uso dele para colocar algum entulho “de acordo com as normas de segurança e higiene”, mas avança que a área está a ser alvo de “operações urbanísticas de regularização” para implementar futuros projectos de âmbito social.

 

 

Imagem recolhida no passado sábado 23 de Julho

 

Em Outeiro Seco, entre o Solar dos Montalvões e a Escola de Enfermagem, também conhecido por lugar da “Mina”, ainda é visível lixo misturado com entulho e encoberto pela vegetação. Local de depósito de todo o tipo de lixo e resíduos indevidos por empresas e particulares ao longo de mais de 30 anos, foi e continua a ser também local gerador de polémica na aldeia. Se há quem tema que a mistura de mato com lixo acumulado e soterrado ameace com risco de incêndio as ruínas e habitações circundantes, a Câmara Municipal de Chaves, proprietária do terreno, garante ter tudo sobre controlo com limpezas de seis em seis meses efectuadas pelas máquinas dos serviços operacionais.

 

 

Imagem captada no passado sábado 23 de Julho

 

Embora já se note “o espaço mais limpo” devido às remoções periódicas, “após tantos anos de deposição de resíduos, é natural que se encontrem ainda resíduos encobertos”, notou à Voz de Chaves o vereador da Câmara Municipal de Chaves, Carlos Penas, acrescentando que “é um espaço de grandes dimensões que merece bastante manutenção”. O responsável pelos Serviços Urbanos da autarquia flaviense reconhece que “efectivamente [o terreno] foi alvo de usos indevidos durante algum tempo por parte de privados, que faziam algumas descargas. Detectado esse problema, vedamos o terreno e fazemos uso dele”. Com efeito, os serviços municipais efectuam “de vez em quando a colocação de algum entulho em função dos seus interesses e necessidades”, até “para regularizar o terreno”, mas “de acordo com todas as normas de segurança e de higiene”, sublinha Carlos Penas.

 

 

 Imagem recolhida no passado sábado 23 de Julho

 

Em Abril 2010, o Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR, através do Destacamento Territorial de Chaves, emitiu um auto de notícia por contra-ordenação por falta de licenciamento para a realização de operações de gestão de resíduos e solicitou à Câmara, através de ofício, a remoção dos mesmos no lugar da “Mina”, mas o vereador esclarece que o município cumpriu as suas obrigações e não foi alvo de qualquer multa.

 

Materialização dos projectos “é um processo que tem de ser estudado e demora o seu tempo”

 

 

Imagem recolhida no passado sábado 23 de Julho

 

Em 2008, foram divulgados projectos de empreendimentos arrojados para aquele terreno, que incluíam, entre outros, a reconversão do Solar dos Montalvões em restaurante, museu gastronómico regional e sala de exposições, que ficariam a cargo da Confraria de Chaves, bem como um Instituto Politécnico, composto por residência estudantil e duas Escolas Superiores: uma de Saúde e outra de Hotelaria e Turismo, além de um Parque de Ciência e Tecnologia para investigação. Contudo, Carlos Penas esclarece que “são planos” e a materialização dos projectos “é um processo que tem de ser estudado e demora o seu tempo”. Deste modo, “estando desocupado, existe uma série de projectos para aquele espaço, que serão de futuro implementados consoante haja possibilidades, respectivas candidaturas e seja o momento oportuno”, remata o vereador.

 

 

 Imagem recolhida no passado sábado 23 de Julho

 

Recentemente, a Câmara de Chaves anunciou que irá ceder a título de empréstimo um dos dois lotes na Quinta dos Montalvões à associação Chaves Social para instalar uma Unidade de Internamento de Cuidados Continuados, além da construção de um lar de terceira idade numa área cedida à Associação Mãos Amigas. Neste momento, “estão a ser feitas as operações urbanísticas de regularização de toda aquela área para que de futuro esses edifícios possam ser implementados”, remata Carlos Penas.

 

Por: Sandra Pereira

  

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 20 de Setembro de 2013

Mentiras eleitorais - II

 

Depois da primeira dose de mentiras, vamos à segunda. Esta da exclusiva responsabilidade do cabeleira. Vieram todas estampadas na edição de 14/11/2008 (sim, 2008) do semanário “A Voz de Chaves”.

 

É pena os meios de comunicação social, de tempos-a-tempos, não fazerem uma recapitulação daquilo que publicam e confrontarem estes charlatães com as suas próprias afirmações para desmascará-los e expô-los à população a quem mentem sem qualquer pudor com a conivência passiva quer da própria comunicação social, quer das Entidades locais responsáveis. Se fizessem essas confrontações, os jornalistas (não só daqui, mas do país inteiro) conseguiriam as melhores entrevistas desde que Deus falou com Moisés.

 

 

Já alguém dizia que “Pecar pelo silêncio, quando se deveria protestar, transforma HOMENS em COBARDES”.

 

E usando as palavras do próprio cabeleira:

É preciso denunciar. Denunciar é um dever de elementar cidadania.

Ainda bem que não foi para albardeiro, senão enfiava mais vezes a agulha nos dedos do que no couro que estaria a coser.

 

O “elementar” cidadão ainda não se apercebeu que ainda vive num tempo pré-pré-pré-histórico. As suas “competências” ainda estão numa fase muito “larvar”, incipientes, qualquer “ervilhoto” na sua fase de crescimento tem mais potencial e “competências” do que este indivíduo.

 

Depois disso, já o mais comum dos seres humanos descobriu o fogo, inventou a roda e é por princípio honesto, honrado e capaz. O "elementar" é simplesmente um “génio” do seu tempo, por isso, temos de lhe dar um desconto.

 

 

Fica então a transcrição do artigo (compilação de mentiras) para todos AQI. Nota: As fotografias não fazem parte do artigo.

 

________________

 

Edição de 14-11-2008 do semanário " A Voz de Chaves"

 

Outeiro Seco – Quinta dos Montalvões –  De espaço degradado a projecto apetecido

Lixo e degradação fazem parte do quotidiano da Quinta dos Montalvões, em Outeiro Seco. Propriedade do Município de Chaves, para aquele espaço estão projectados empreendimentos arrojados, na área da gastronomia, do ensino e investigação, saúde e apoio aos mais idosos.

A Quinta dos Montalvões, em Outeiro Seco, propriedade do Município de Chaves, mais parece um “aterro sanitário”, dada a quantidade de lixo aí despejada. Com acesso para veículos, são visíveis vários montões de lixo, entulho e até uma “pilha” de garrafas de vidro, umas intactas, outras partidas.

Este espaço, adquirido pela Câmara de Chaves, esteve cedido, durante 10 anos, à Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, para que aí pudesse desenvolver um pólo universitário.

No entanto, decorrido este tempo, regressou novamente para a responsabilidade da autarquia, dado aquela Universidade não ter desenvolvido qualquer projecto. Além do lixo acumulado, também o Solar está ao abandono, degradando-se com o passar do tempo.

Confrontando a Câmara Municipal de Chaves sobre esta situação, o Vereador António Cabeleira, referiu à A Voz de Chaves que desconhecia o amontoar de lixo nos terrenos da quinta, mas prometeu algumas medidas: mandar “os técnicos certificarem-se da situação, para que possa fazer uma queixa na Brigada Verde do Ambiente e solicitar a abertura de uma vala no acesso ao terreno, para que possa impedir a entrada de viaturas”.
Quanto ao Solar, assim como para todo aquele espaço da Quinta, estão em perspectiva arrojados projectos, no âmbito da gastronomia, ensino, saúde e apoio aos mais velhos.

 

 

Confraria de Chaves ocupará o Solar

Quanto a recuperação do Solar, a ideia é, após a recuperação do edifício, transformá-lo num espaço com múltiplas funções, mas com um tema único, a gastronomia, onde possa haver um restaurante, muito provavelmente para ser explorado por privados, um museu dedicado, também ele, ao sector gastronómico regional e uma pequena sala de exposições.

Segundo António Cabeleira “tudo está já pensado e a futura confraria de Chaves, que deve ser formalizada e legalmente formada a curto prazo, pode ficar responsável por toda a organização do edifício do Solar, que vai ser a porta de entrada para todo o empreendimento a desenvolver na Quinta.”

 

 

Dinamizar a Escola Superior de Enfermagem

Um outro aspecto relevante a desenvolver neste espaço é um novo empreendimento visando a dinamização da actual Escola de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado, que passa pela sua transformação numa Escola Superior de Saúde.

Este projecto está a ser desenvolvido em colaboração com o ISAVE (Instituto Superior de Saúde do Alto Ave), para que Chaves possa vir a ter um Instituto Politécnico, composto por duas Escolas Superiores: uma de Saúde e outra de Hotelaria e Turismo.

O vereador António Cabeleira mostrou o projecto e explicou toda a sua complexidade, dizendo que tudo vai ser feito por fases “e se o Governo aprovar a Escola Superior de Saúde, as obras arrancam de imediato”.
A complementar este espaço de formação universitária, “haverá um centro tecnológico, composto por dois ou três edifícios, adequados para a investigação, para as pessoas formadas nestas Escolas, pois queremos que se torne num campo de investigação a nível nacional.”

Este futuro Instituto Politécnico de Chaves comportará um espaço para uma residência universitária e um lar para a terceira idade, que irá servir para que as pessoas possam passar os últimos anos de vida com dignidade. Este mesmo edifício vai “atacar” uma das lacunas da região e “irá ter uma valência de unidade continuada de saúde e uma valência de cuidados paliativos”, referiu António Cabeleira.

“A unidade cuidados paliativos não é só para gente idosa, pois é para estas unidades que vem parar todos os doentes que estão em fase terminal. Os hospitais não têm grandes condições de os ter, porque não estão preparados para isso e são, como há bem poucos dias falou o Senhor Primeiro-ministro, necessárias bem mais camas.

Tudo isto é um complexo privado e o único investimento público é o da Câmara Municipal, no contexto da actual Escola Superior de Enfermagem, da qual a Câmara de Chaves é um dos sócios principais”, salientou António Cabeleira.

Nesta nova “cidade universitária”, se assim a podemos chamar, depois de estarem criadas todas estas condições, vai poder haver o curso de enfermagem com especialidade em geriatria e o curso de fisioterapia também com uma especialidade nesta área.

 

 

Outeiro Seco terá um Lar

Neste novo projecto que está a ser desenvolvido para a Quinta, uma pequena área já foi doada à Associação Mãos Amigas, de Outeiro Seco, para que aí possa construir o seu lar de terceira idade, para servir a freguesia. Um projecto estritamente local, independente do “hotel geriátrico” que vai ser concebido para servir toda a região Norte.

 

 

Eurocidade é uma mais-valia

A autarquia flaviense pretende que todo o projecto seja inserido na Eurocidade Chaves – Verin tendo valências do lado de lá da fronteira. “Do lado de Verin as valências vão ser ligadas ao sector do termalismo e do turismo. Nós temos a escola de hotelaria e turismo do lado de cá da fronteira, mas vamos ter os campos de estágios do outro lado da fronteira. Ligado ao termalismo, pretendemos fazer a mesma coisa.

A Escola Superior de Saúde irá ter uma especialidade de enfermagem e de fisioterapia para o termalismo e para os SPAS. Este projecto ira ter do lado de Verin instalações, no contexto da eurocidade, podendo vir a ganhar uma expressão bem mais vasta”, concluiu António Cabeleira.

 

Por: Paulo Silva Reis

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 19 de Setembro de 2013

Contributos - Sr. Luís Fernandes - "PARTIDOS POLÍTICOS"

 

“PARTIDOS POLÍTICOS”

 

 

reflexão

 

 

Todos os povos (pessoas) gostam de sonhar.

 

Porém, também chega um momento em que já não querem que se lhes contem mais histórias e começam a exigir factos, resultados e testemunhos.

 

Em Portugal, a mudança de regime, da Ditadura (salazarenta) para uma Democracia (enfezada), está a passar, como que por brasas, do pluripartidismo multicolorido ao bipartidismo de tom bege (tom de carame(erda)lo langonha), ou cinzento, ou, mais (des)acertadamente, alaranjado , onde o tom de cor-de-laranja se parece com o de cor-de-rosa pálido e o cor-de-rosa «foge» para o cor-de-laranja-vivo, a disfarçar um partidismo único, em que o poder do Governo e o da Oposição se compensam e equivalem por trás da cortina

 

O declínio moral e social dos Partidos parece querer dizer-nos que estão de regresso às suas características embrionárias: puras facções em luta pelo poder, sem qualquer preocupação como bem comum.

 

Os principais Partidos políticos estão muito mais preocupados e empenhados no fortalecimento do seu vínculo com o Estado do que com a Sociedade Civil!

 

Os Partidos políticos fazem mais o papel de Mediadores (aliás, muito fracos) entre esta e aquele, entre a Sociedade Civil e o Estado, do que o papel de representantes.

 

Por este andar, pouco falta para que seja o Estado a ser o intermediário entre os Partidos e os Cidadãos!

 

Os Partidos não podem (não devem), quanto a nós, esquecer os seus fins originários. Aqui, neles, está uma insubstituível legitimidade.

 

Cartoon de Pawla Kuczynskiego – Cartunista polaca

 

Nem o PS nem o PSD actuais, para referir «os de sempre» nas cadeiras da Governação, têm manifestado clareza e franqueza na expressão da ideologia em que foram criados.

 

As acções políticas de cada um deles pouco ou nada se têm parecido com os seus princípios fundadores.

 

E em todos os Partidos, talvez por efeito de contágio, e de “transmigrações infecciosas”, se nota uma crescente (e lamentável) perda daquele élan com que se apresentaram aos Portugueses na aurora de um 25 A colorido com tantas esperanças - o seu contributo para uma Democracia consolidada e garantia da soberania nacional.

 

Há que lembra-lhes a importância que lhes cabe na expressão da vida democrática da Nação.

 

Não podem, não devem, conformar-se aos grupos (ou grupinhos) de interesses nucleares - os interesses nacionais merecem-lhes e exigem-lhes a primazia em relação aos interesses particulares legítimos.

 

Estes Partidos, PS e PSD, cada vez mais se afastam da sua responsabilidade democrática.

 

Transformaram-se em “Partidos de Barões”!

 

Ou de «Garotões”!!!

 

Instalaram-se e consolidaram-se com a adesão de fortes grupos de interesses egoístas e a ingenuidade de um Povo que se contenta com a festa das Eleições e o foguetório do voto!

 

É mais que notório que, no catecismo das obrigações partidárias, a observância das regras hierárquicas é o seu mandamento primeiro.

 

O PSD e o PS estão a deixar de ser verdadeiros Partidos para serem apenas umas Organizações.

 

 

Ambos estão a deixar de ser um meio para se obter um fim, transformando-se eles próprios num fim, com metas e interesses próprios, distinguindo-se do conjunto de cidadãos que, afinal, representam.

 

E quem diz Organização diz Oligarquia. A Organização é a que dá origem ao domínio dos elegidos sobre os eleitores, dos mandatários sobre os mandantes, dos delegados sobre os delegantes”, ensina Michels.

 

Os Partidos, quanto à sua Direcção têm uma aparência democrática, porém, na realidade, oligárquica.

 

Os Partidos, quanto a nós deveriam representar os Votantes e não só os membros!

 

E a representatividade é perfeitamente concebível sem Partidos - veja-se, p. ex., o MAI – com Chaves no coração

 

Estes Partidos políticos, retrógrados e estáticos, conduzem os destinos do País para o abismo - ou para o «Tera do Nunca»!

 

Estes Partidos políticos mandaram às malvas a sua responsabilidade e o seu compromisso pelo interesse colectivo.

 

Há que lembra-lhes, e muito especialmente às alimárias que formam o Governo actual e ao farsola que tão afincadamente o agasalha, que a Democracia é a forma e o meio para a Liberdade e a Igualdade!

 

Há que lembra-lhes a ética e o compromisso da Responsabilidade!

 

Luís Henrique Fernandes

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 18 de Setembro de 2013

Mentiras eleitorais - I

 

Quem percorre o concelho de Chaves por esta altura depara-se com ilegalidades por tudo quanto é canto.

 

Os jardins, rotundas, cruzamentos, bermas de estrada, etc…, enchem-se de cartazes das flores e dos flores, candidatos às juntas e câmara. Parecem estar a candidatar novamente Chaves a cidade mais florida.

 

No entanto, esquecem-se que há uma Lei que proíbe a colocação de publicidade nesses locais, sobretudo porque põem em causa a segurança rodoviária.

 

A maioria são locais onde os condutores devem circular com a máxima precaução, não devendo ser desviada a sua atenção para mensagens publicitárias colocadas ao acaso.

 

Ao lado de placas “Não pise a relva” vêem-se buracos para fixar os enormes cartazes, porque ainda são do tempo em que acham que o tamanho importa e fazem-nos numa relação de tamanho inversamente proporcional às suas caixas cranianas.

 

Pergunto onde está a fiscalização para estas situações? Provavelmente não está, porque os responsáveis são os mesmos que comentem os crimes.

 

Depois há outra questão que nos incomoda ainda mais. Se perguntarmos a qualquer membro de uma Junta de Freguesia ou aos “génios” que estão na Câmara Municipal de Chaves, porque não fazem obra ou pelo menos, porque não cumprem as promessas eleitorais (já nem me refiro às restantes) a que se comprometeram com os cidadãos, as respostas são sempre as mesmas: “A crise”ou “Não há dinheiro”.

 

Mas entre o ego, a ganância e a política, nem se apercebem que o que gastam durante uma campanha eleitoral daria para resolver muitas coisas e cumprirem muitas promessas.

 

Porque não são apenas os cartazes que contribuem para essa bola gigante de desvio de dinheiros públicos. Há ainda que ter em conta: os panfletos com qualidade de impressão fotográfica (como se isso resolvesse o problema da sua imagem), os brindes, o aluguer de outdoors publicitários, o aluguer de palcos, os custos com ocupação de espaços públicos, em jornais, revistas, entrevistas e sondagens e, não esquecendo os montantes orientados para eles próprios e afilhados, porque se há alguma coisa que a experiência nos tem demonstrado ao longo dos anos, é que ninguém anda lá por andar. Isto faz parte da pura “verdade” que alguns deles apregoam. E ainda bem que já retiraram a “honestidade”, porque basta ter a infelicidade de ter de lidar com eles para saber que não são honestos, nem nada que se aproxime a tal qualidade.

 

A verdade, que tem como inimigo o silêncio, é que a maioria das promessas eleitorais que os actuais elementos da CMChaves fizeram em relação à nossa Aldeia ficaram por cumprir. Por isso, aos poucos e para repor a verdade, vamos relembrar o que o joão batista, cabeleira, penas, frança (novamente candidatos) prometeram e não cumpriram, devido, como é óbvio “À Crise”.

 

Todos se lembrarão de uma revista publicada em 2009. A título de exemplo ficam aqui as páginas que dizem respeito à nossa Aldeia, para aqueles AQI.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos

Legislação de Interesse

 

Função Pública

Acórdão do Tribunal Constitucional 474/2013 17/09/2013

Pronuncia-se pela inconstitucionalidade da norma constante do n.º 2 do artigo 18.º do Decreto n.º 177/XII (regime de requalificação de trabalhadores em funções públicas), enquanto conjugada com a segunda, terceira e quarta partes do disposto no n.º 2 do artigo 4.º do mesmo diploma; pronuncia-se pela inconstitucionalidade da norma constante do n.º 1 do artigo 4.º, bem como da norma prevista alínea b) do artigo 47.º do mesmo Decreto n.º 177/XII, na parte em que revoga o n.º 4 do artigo 88.º da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de fevereiro, e na medida em que impõem, conjugadamente, a aplicação do n.º 2 do artigo 4.º do mesmo Decreto aos trabalhadores em funções públicas com nomeação definitiva ao tempo da entrada em vigor daquela lei

 

Incentivo Emprego

Portaria 286-A/2013 1.º Suplemento 16/09/2013

Cria a medida Incentivo Emprego

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:01

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 17 de Setembro de 2013

Festa de Na. Sra. da Azinheira - Andores

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 
 
 
Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos

Corrupção nas Câmaras - Nada que não saibamos ...

 

 

Fonte:

http://www.jornaiserevistas.com/capa/diario-de-noticias

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:01

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 16 de Setembro de 2013

Achados - Objectos Antigos - Campainha do gado

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Chamam-lhe a isto "transparência"

 

Fonte:
 
Publicado por Humberto Ferreira às 00:01

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 15 de Setembro de 2013

Vamos até Montalegre - Castelo - Panorâmica

 

 

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Humberto Ferreira . Berto Alferes

Pesquisar neste blog

 

Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
30

Posts recentes

Geadas - Vinhas - Outeiro...

Geadas - Batatas - Outeir...

Floração - "Nabal"

Câmara Municipal de Chave...

Fotografia - Ao acaso

Fotografia - Gado

Polinização

Floração

Imagens - Sagrado Coração...

Sinal TV - O Barroso vist...

Escarambões

Lilás

Fotografia - Ao acaso

Fotografia - Gado

Imagens - Santa Ana

Boa Páscoa

Auto da Paixão 2014 - Out...

Os teus 98 anos

Polinização

Marmeleiro

Fotografia - Ao acaso

Fotografia - Gado

Plantas que por tradição ...

Imagens - Nosso Senhor do...

Auto da Paixão 2014 - Out...

CMChaves e Junta de Fregu...

Fotografia - Ao acaso

Exposição Colectiva de Fo...

Fotografia - Gado

Imagens - Nossa Senhora d...

Arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

acisat

agricultura

aldeias

ama

ambiente

amnistia internacional chaves

ana maria borges

antigamente

aqi

auto da paixão

berto alferes

boticas

casa de cultura

chaves

cogumelos

coleccionismo

comboios

contributos

desporto

dinis ponteira

diogo rolim

direitos humanos

esgotos

exposições

família

fátima

fauna

faustino

feira do gado

feira dos santos

fernando ribeiro

festa do reco

flora

fotografia

galiza

humberto ferreira

incêndio

isaac dias

j.b.césar

joão jacinto

joão madureira

josé arantes

lamartinedias

laura freire

legislação

lixo

luís montalvão

lumbudus

máquinas fotográficas antigas

marco costa

miguel ferrador

montalegre

natureza

notícias

olhares

orçamento participativo

orçamento participativo 2015

outeiro seco

pablo serrano

património

pedro afonso

pitões das júnias

políticos

recortes

regina celia gonçalves

religião

rita gonçalves

romeiro de alcácer

santarém

são sebastião

segirei

sr. luís fernandes

sr.joãojacinto

tiago ferreira

tradições

tupamaro

vamos até

verin

vidago

vítor afonso

todas as tags

Favoritos

Ocasionais

Blogues Amigos




Creative Commons License

AVISO:
A cópia ou utilização das fotografias e textos aqui publicados são expressamente proibidas, independentemente do fim a que se destinam.
Berto Alferes

Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License

Lumbudus

Tradições

Património

Coleccionismo

Fauna

Flora

Aviso




Creative Commons License

AVISO:
A cópia ou utilização das fotografias e textos aqui publicados são expressamente proibidas, independentemente do fim a que se destinam.
Berto Alferes

Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Visitas:

subscrever feeds