Outeiro Seco - AQI...

Tempo Outeiro Seco
Quarta-feira, 30 de Abril de 2014

Flores - Capela de Na. Sra. da Portela

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 29 de Abril de 2014

Estevas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 28 de Abril de 2014

Escarambões em flor vs com fruto (no inverno)

 

 

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Domingo, 27 de Abril de 2014

Vamos até Pitões das Júnias - Mosteiro - Fotos compostas da fachada principal

 

 

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 26 de Abril de 2014

Contributos - Sr. Luís Fernandes - “Fogo-de-vista"

 

Fogo-de-vista”

 

 

A Cidade CHAVES nem cresce nem minga    -   altera-se aos sobressaltos.

 

Os que têm tomado conta dela não é tanto para a cuidar, mas mais para a aproveitar para serviço e interesse da sua «quadrilha» partidária.

 

Chaves é uma cidade cujo crescimento e desenvolvimento urbanos poderiam e deveriam ser harmoniosos  e amplos, pois as suas condições geográficas são francamente favoráveis.

 

Mas a tacanhez de espírito, a mediocridade de conhecimentos e a impreparação política dos que têm vindo a tomar conta dos destinos dessa Cidade e dessa Região, agravadas com a impetuosidade da soberba, da ganância e da insinceridade desses mesmos decisores,    condenam  CHAVES (cidade e Região) a esse aspecto  de cidade «às três pancadas» e de Região «ao  deus - dará».

 

 

Assim, não é de estranhar que pessoas que gostam mesmo de CHAVES (cidade e Região), e, dentre estes, especialmente, os que aí nasceram e aí foram criados, reparem não só nas grandes misérias que por aí saltam à vista, como também  em ferretes isolados, que alguns consideram pormenores ou pequenas distracções licenciadas , que mais não são do que «o rabo de fora» de tristes cumplicidades … ou sinais  em “faces ocultas”.

 

O Progresso de uma CIDADE tem consistência no Planeamento, e não no capricho balofo ou na golpada de ocasião, licenciados e consentidos por quem tem a OBRIGAÇÃO de saber o que anda a (DEVE) fazer.

 

O feudalismo mental continua a ser um baluarte para toda a prosápia da imbecilidade, da tacanhez de espírito e da grandiosa quão estúpida soberba de todos quantos se convencem que a História da Humanidade é neles, e só neles, que se realiza.

 

Do pouco que estudaram, aprenderam uma insignificância que aproveitam às mãos cheias para enfartar o seu insaciável ego eivado de mediocridade.

 

Na vida estão eles, cada um por si, eles, e, depois, os demais.

 

Nascem indivíduos, passam a trastes, nunca chegam a ser pessoa.

 

Embora visíveis a olho nu, o descaramento com que se revestem disfarça-os mais do que a pele do cordeiro ao lobo.

 

Afinal, não passam de caracaras apalhaçados com plumagem de araras.

 

Ao longo da História, e particularmente no pós-25, continuam a proliferar, porque este Povo hospitaleiro os hospeda com afecto e toda a ingenuidade.

 

Especialmente, aí por CHAVES, pela Normandia Tamegana, continue-se a pôr no poleiro os atletas pepe-rápidos da camaleonice politicastra, e cuja maior qualidade está chapada, chapadinha, no conceito que têm do desempenho das funções de edis: - entrar em gozo de férias graciosas, por períodos de quatro anos, com todas as loucuras e lucros já metidos na conta … de quem tem de os «gramar»!!!

 

 

Queremos todo o merecimento para os nossos NORMANDO  - TAMEGANOS.

 

Por isso, e para isso, jamais devem deixar-se atrair, e cair, na escravidão de petimetres neróides.

 

A esses filauciosos e fementidos, o nosso amigo Zeus manda avisar que basta esse disparate para lhes retirar metade do mérito que têm.

 

Assim, dizei lá, o que vos resta?  - Ter cá, nesta vida uma imerecida e efémera glória, e Lá, na outra, o inferno atiçadinho!

 

Chega para ganharem Juizinho?!

 

Safaditos!

 

Nem só os que «fizeram alguma coisa por CHAVES» têm o direito à apreciação, à crítica, à reprovação ou ao louvor do que por aí acontece.

 

Mesmo quem nunca tenha feito “coisa alguma que se veja”, ao comentar, com empenho e seriedade, a vida da “NOSSA TERRA” já está a dar um contributo.

 

E há muitas maneiras de colaborar sem dar nas vistas.

 

Nem só em pôr-se em bicos de pés é que se tem mais visibilidade.

 

Muitos de nós não dão esmola, nem se põem com a lenga - lenga ao coitadinho, só quando sentem muita gente a olhar.

 

Conduzir a cidade e os cidadãos para as derrotas e a catástrofe é fazer algo de meritório?

 

 

Dar cabo das “Freiras”, dos Jardins, deixar «roubar» o Hospital, construir mamarrachos, levar o saneamento à GRANGINHA fora de horas e a conta-gotas, não cuidar minimamente do património histórico, promover vergonhosas feiras de sabores e medievais, provocar os artistas locais com exposições pomposamente anunciadas e descaradamente de portas trancadas; não promover, na verdade, a CIDADE (repetimo-nos, mas temos de lembrar que sempre que escrevemos CIDADE, ou CHAVES,  com letras maiúsculas queremos dizer, a cidade, as vilas, as Aldeias, enfim, todo o Município); sacrificar os legítimos interesses regionais a favor de caprichos, conveniências e «jogadas» partidárias; aceitar que quase se neutralize um dos principais pólos termais e turísticos do País; não criar as mínimas perspectivas de emprego para os jovens que aí concluem os estudos; não lutar pela instalação de uma Instituição de Estudos Superiores; continuar a consentir a desertificação das Aldeias e pouco ou nada se fazer pela melhoria das condições de vida dos mais Idosos e doentes; não preservar Povoados, que tanto o merecem; não melhorar acessos com tão gritante necessidade; consentir o roubo de Baldios, construções abusivas; fazer Polis aldrabados; atrasar e dificultar as decisões administrativas a qualquer cidadão e, particularmente, aos Emigrantes; proteger delambidamente os que aí se instalam para comercializar e abandonar ostensivamente os produtores locais; enfim, estas e outras atitudes é que são a expressão válida e valorosa do que SE FAZ POR CHAVES?!

 

Contentam-se com fogo - de - vista?

 

 

 

 

 

M., 19 de Abril de 2014

 

Luís Henrique Fernandes

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Ver comentários (3) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 25 de Abril de 2014

Papoilas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 24 de Abril de 2014

Flores de casa de minha mãe

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 23 de Abril de 2014

Folares de Outeiro Seco

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos

Legislação de Interesse

 

Sector Vitivinícola

Portaria 90/2014 22/04/2014
Estabelece, para o continente, o regime de apoio à promoção do vinho e produtos vínicos nacionais, e o regime de apoio à informação e educação sobre o consumo de bebidas alcoólicas do sector vitivinícola, e revoga a Portaria n.º 219/2013, de 4 de julho

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:01

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 22 de Abril de 2014

Verdelhões

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 21 de Abril de 2014

Batatas, cebolas e vinha

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 20 de Abril de 2014

Boa Páscoa

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sábado, 19 de Abril de 2014

Contributos - Sr. Luís Fernandes - “POBRE REINO!”

 

“POBRE REINO!”

 

Gostamos da NOSSA TERRA!

 

É o nosso maior pecado capital.

 

Das parcelas que compõem e integram Portugal, ninguém se atreverá a pôr em dúvida como sempre foi das mais generosas e das mais sacrificadas.

 

E custa-nos a ingratidão, e a insolência, até, com que tem sido tratada, particularmente, na nossa época.

 

 

Na verdade, nos decénios mais recentes tem sido aviltada, e mais ainda com as cínicas pantominas de uma Auto-estrada que a diminui para Vila Real e um Casino que nada diz à cidade e à Região. Este é um enclave da estratégia gananciosa dos «reis de qualquer coisa»; aquela assemelha-se ao atalho de Efialtes e que ajudou à «sangria» de importantes estruturas de apoio e desenvolvimento da Região.

 

E o que mais nos custa ainda, repetindo-o, é termos por aí, e daí, uma caterva de traidores, uns “merdosos” que envergonham a honra e o brio das ancestrais qualidades dos Transmontanos.

 

Videirinhos, têm sorte em que os da capital, sendo da mesma cepa, lhe aparam - e dão cobertura - o jogo.

 

 

Obrigam a população em idade activa a procurar a sobrevivência noutras paragens, ficando por aí os mais indefesos e menos capazes de os enfrentar - idosos, jovenzitos e crianças.

 

Claro, para apoio, arregimentam sempre um punhado de rendidos e uma mancheia dos da mesma laia.

 

A nossa Província, e particularmente a NOSSA TERRA, tem sido muito maltratada ao longo da História.

 

Para as guerras fronteiriças foi sempre de grande proveito para os castelões portugueses.

 

Para as viagens trágico-marítimas sempre alfobre de recrutamento de navegadores e conquistadores.

 

Para os finados do «Império», o canteiro onde mais flores colheram os “armadilhas” e os armadores desta Pátria infeliz.

 

As honras e os louvores a que a História lhe deu direito têm ficado metidos nas gavetas dos Palácios de S. Bento e de Belém.

 

(1)

 

As vias de acesso e de comunicação, os Centros de Estudo e Investigação, a rede Escolar e Hospitalar, o Desenvolvimento Agrícola, Industrial e Turístico são desígnios que, mais do que lhe terem sido reconhecidos, lhe têm sido sonegados!

 

Continuam adormecidos nas lengas-lengas bíblicas conformando-se com as labaredas do inferno de Hoje convencidos de que o Amanhã lhes trará o reino dos céus.

 

É um Povo resignado.

 

Ainda por cima com a maldição de ser aquele que mais facínoras gera, em cada palmo linear.

 

Já não admira, pois, que se afogue a Linha do Tua; que se envenene o Sabor; O Tâmega e o Beça; que se encerrem Hospitais e Maternidades; que se inquinem as águas Minero-medicinais do maior complexo do género no País; que se promova uma nova vaga de emigração e de desertificação das nossas ALDEIAS; que em nome de tecnológicos interesses e de interesseiras tecnologias transfiram as crianças e jovens em idade escolar para modernos gulags; e aos mais idosos lhe seja negado, proibido ou impedido o direito de uns anos de velhice que à Dignidade Humana pertencem.

 

 

TRÁS-OS-MONTES continua a ser o bombo da festa das cretinices, incompetências, maldades e raivazinhas políticas dos «berdamerdas» que, desde o Afonso Henriques têm administrado Portugal. E os da última “abriladona” têm-se mostrado os mais reles, lá isso têm.

 

E por aí ainda medram uns estuporzitos, com o vosso consentimento e alimento!

 

Pobre Reino Maravilhoso que está a acabar em reino vergonhoso!

 

Luís Henrique Fernandes

 

(1) - Foto de Fernando Ribeiro, do Blogue Chaves (http://chaves.blogs.sapo.pt/148812.html)

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 18 de Abril de 2014

Sexta-feira Santa

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 17 de Abril de 2014

Mugengos - 3 variedades

  

 

 

 

 

 

 


 
 
 
Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 16 de Abril de 2014

Chasco

 

 

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 15 de Abril de 2014

Quaresma - Ramo

 

No passado Domingo, foi o Domingo de Ramos. Já houve um tempo em que também recolhia as plantas para o compor.

 

Hoje as coisas são diferentes, mas o outro dia ao ler a publicação que o Nuno fez no seu blogue sobre as "Tradições da Quaresma", fez me recordar uma das plantas que também utilizava, que há muito não via e da qual nunca mais tinha ouvido falar. A cangorça, com folhas verdes brilhantes e umas flores lilás-suave, tão bonitas como frágeis.

 

Não é muito comum encontrá-la, e chegada essa data ia com o meu irmão à Fontaínha, que na altura era em parte trabalhada pelos meus avós maternos (Torcato e Augusta). Aí, junto à frescura do Rio Pequeno costumava haver algumas plantas protegidas pela sombra dos amieiros e o recosto dos muros.

 

Como entretanto a Fontaínha ficou de poulo, os amieiros estão a morrer e, como sabemos, ardeu no Verão passado, não deve lá haver muita coisa.

 

 

O outro local de recolha era no caminho entre o Aloque e a Quinta dos Montalvões, que hoje é do Vítor, mais propriamente, ao lado da Fonte que, à semelhança de quase tudo o que é público na nossa Aldeia, também continua abandonada e cheia de silvas.

 

Perto encontrei umas poucas plantas que me permitiram tirar umas fotografias, que de seguida vos deixo, acompanhadas das restantes plantas de que tradicionalmente se compunha o Ramo.

 

 

Alecrim

 

 

Loureiro

 

 

Oliveira

 

 

Salva

  

Cangorça

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

E era preciso sondagem?

 

 

 

Fonte:

http://www.noticiasaominuto.com/politica/203431/politicos-da-ditadura-eram-mais-serios-e-honestos-do-que-os-atuais

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:01

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 14 de Abril de 2014

Pintarroxo e Milharengos

 

 

 

 

 

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos

Auto da Paixão de Cristo

 

Fonte:
Publicado por Humberto Ferreira às 00:01

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Humberto Ferreira . Berto Alferes

Pesquisar neste blog

 

Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
30
31

Posts recentes

Natureza

Rapa das Bestas - Sabuced...

Tanque

Natureza

Fotografia - Ao acaso

Fotografia - Gado

Ruínas do Solar dos Monta...

Capela de Nossa Senhora d...

Capela de Nosso Senhor do...

Fotografia - Ao acaso

Câmara Municipal de Chave...

Dia Internacional dos Mus...

Fotografia - Gado

Nosso Senhor dos Desampar...

Igreja de Nossa Senhora d...

Imagens - Nossa Senhora d...

Fotografia - Nossa Senhor...

Imagens - Nossa Senhora d...

Câmara Municipal de Chave...

Fotografia - Ao acaso

Fotografia - Gado

"Outeiro Seco - AQI" - 7 ...

Dia da Mãe

Fotografia - Ao acaso

AMA - Associação Mãos Ami...

Câmara Municipal de Chave...

Fotografia - Gado

Imagens - Nossa Senhora d...

Floração - Estevas

Rosa

Arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

acisat

agricultura

aldeias

ama

ambiente

amnistia internacional chaves

ana maria borges

antigamente

aqi

auto da paixão

berto alferes

boticas

casa de cultura

chaves

cogumelos

coleccionismo

comboios

contributos

desporto

dinis ponteira

diogo rolim

direitos humanos

esgotos

exposições

família

fátima

fauna

faustino

feira do gado

feira dos santos

fernando ribeiro

festa do reco

flora

fotografia

galiza

humberto ferreira

incêndio

isaac dias

j.b.césar

joão jacinto

joão madureira

josé arantes

lamartinedias

laura freire

legislação

lixo

luís montalvão

lumbudus

máquinas fotográficas antigas

marco costa

miguel ferrador

montalegre

natureza

notícias

olhares

orçamento participativo

orçamento participativo 2015

outeiro seco

pablo serrano

património

pedro afonso

pitões das júnias

políticos

recortes

regina celia gonçalves

religião

rita gonçalves

romeiro de alcácer

santarém

são sebastião

segirei

sr. luís fernandes

sr.joãojacinto

tiago ferreira

tradições

tupamaro

vamos até

verin

vidago

vítor afonso

todas as tags

Favoritos

Ocasionais

Blogues Amigos




Creative Commons License

AVISO:
A cópia ou utilização das fotografias e textos aqui publicados são expressamente proibidas, independentemente do fim a que se destinam.
Berto Alferes

Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License

Lumbudus

Tradições

Património

Coleccionismo

Fauna

Flora

Aviso




Creative Commons License

AVISO:
A cópia ou utilização das fotografias e textos aqui publicados são expressamente proibidas, independentemente do fim a que se destinam.
Berto Alferes

Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Visitas:

subscrever feeds