Outeiro Seco - AQI...

Tempo Outeiro Seco
Sábado, 28 de Dezembro de 2013

Contributos - Romeiro de Alcácer - “Massa fiada”

 

Massa fiada

 

 

Desceu a ladeira em passo apressado.

 

Ia às compras. E a mãe calculou-lhe o tempo de demora.

 

Como ansiava por estar um momento, fugaz que fosse, com o seu amor!

 

Contou pelos dedos os minutos, ou os segundos, que podia poupar no sapateiro, onde as socas ficariam para deitar umas tachas; no Correio, onde ia mandar uma carta por avião para a Tia que estava no Brasil; no «Mocho», onde ia comprar um metro e meio de plástico para forrar o «louceiro»; e no Zé da Loja, donde levaria um kilo de açúcar, dois de sal, três de massa pevide, dois de arroz e um de massa fiada.

 

 

Aquele quarto de hora de avanço podia muito bem dar-lhe para bater à porta da amiga da Quinta da Fraga. Dar-lhe-ia as «boas – tardes» e receberia o cântaro com que iria à mina buscar-lhe água. Era o sinal de que logo na esquina lá estaria «o amor da sua vida».

 

Dobrado o muro, o cântaro ficava pousado no chão. E os dois ficavam derretidos num tão apertado abraço e a comerem-se de beijos, sôfregos e doces!

 

Traçavam-se pela cintura. E lá seguiam até à fonte, trocando olhares, beijinhos e promessas de amor.

 

Enquanto o cântaro se enchia vagarosamente de água, deitados no chão de ervas secas, saciavam-se de amor e de saudades.

 

O tempo era contado pelo palpitar dos corações.

 

A hora da despedida era assim adivinhada.

 

 

Não se podia deixar que a mãe desconfiasse de nada.

 

A «Guerra em África» arrebanhava os mancebos a qualquer hora.

 

A ele afligia-o a incerteza do regresso.

 

Partiu para «o Ultramar».

 

Voltaram a ver-se quarenta anos depois!...

 

Romeiro de Alcácer

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 21 de Dezembro de 2013

Contributos - Romeiro de Alcácer - “Credo em Cruz!”

 

“CREDO EM CRUZ!

 

Novembro ainda não findara.

 

Estava um dia de sol de Outono com um frio gelado de Inverno.

 

O conforto do astro-rei era uma tentação, fazia-nos sair à rua para o apanhar.

 

 

Logo nos colhe de surpresa a traição do vento norte, que, mesmo fraco, nos gela as mãos e a cara, e nos põe lágrimas nos olhos.

 

Cem passos dados pelo passeio, e chegaram para obedecermos à intimação do frio e regressar a dentre – paredes.

 

A meia volta deu-nos um susto. O vulto que se cruzou connosco nem soubemos se era corpo ou sombra.

 

O nosso passo de volta cruzou-se com o seu passo de ida.

 

Só foi tempo de lhe apanharmos o rosto.

 

Voltámos a cabeça. O cabelo, o corpo e o andar eram o dela.

 

O espanto tolheu-nos o passo. Ficámos parado a vê-la afastar-se.

 

Credo em cruz!

 

Desapareceu na esquina da rua com o mesmo perfil e aprumo com que se cruzou connosco.

 

Nem um leve voltar de cabeça; nem um gesto mais amplo de um braço, nem um passo mais largo, ou estreito ou menos acertado, a dar sinal de nos ter reconhecido.

 

 

O sol pareceu rir-se de nós, e o frio ficou mais gelado!

 

Chega de recordação! Chega de saudades!

 

Memória, por que não te apagas?!

 

 

Romeiro de Alcácer

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 27 de Julho de 2013

Contributos - Romeiro de Alcácer - “A rosa de Gabilondo”

 

“A rosa de Gabilondo“

 

 

O amor floriu no coração daqueles jovens.

 

As sombras medievais ainda ocupavam o céu das mentes de pais ibéricos já em pleno século xx.

 

Às dez da noite, a filha já prometida – noiva – tinha de estar porta – de – casa – dentro.

 

Passavam cinco minutos das dez.

 

 

O pai andaluz, em apoplexia de melindre, - Oh! Infame falta de respeito! – assomou-se à porta e “ralhou “ com mais barulho que o pai do céu.

 

Ela, banhada em lágrimas.

 

Ele, encharcado de humilhação.

 

Mas ambos aguardaram com acalentada esperança o momento de ser reconhecido e abençoado o seu direito à felicidade.

 

E foram felizes!

 

E a doença invejou-os. Atacou Maitê.

 

 

 

A dor e a angústia pelo sofrimento da sua querida combatia-a o basco com a fé e as preces à Virgem.

 

Certo dia, mandou, o basco, um ramo de rosas vermelhas ao deão da Igreja de N. Senhora de....

 

Maitê subiu ao reino dos anjos.

 

No dia da procissão das Festas em honra de Santa Marta, o andor, sempre tradicional e igualmente enfeitado, levava uma rosa vermelha.

 

 

Qual gota de sangue caída da chaga da mão de Jesus, sobressaía dos lírios que adornavam o sopé da imagem.

 

Aquela rosa tocou os olhos e o coração de todos quantos olharam o andor.

 

Alguns anos após, o deão – amigo fez entender ao “coração-saudoso” da “sua Maitê” o simbolismo, a espiritualidade, a eloquência daquela rosa que todos os anos está no andor de Santa Marta.

 

É a Rosa de Gabilondo!!!

 

Romeiro de Alcácer

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 6 de Julho de 2013

Contributo - Romeiro de Alcácer - “Não te absolvo!”

 

Não te absolvo!”

 

 

Era jovem. Ainda mal entrada na adolescência.

 

 

Do grupinho das suas amigas havia uma já mais crescida, quase mulher, a namorar com um rapaz que até já ia a sua casa.

 

 

O povo falava. O padre desconfiava.

 

 

Um dia “correram os banhos” pela Freguesia.

 

 

A sua amiga mais crescida, quase mulher, ia casar com o namorado que até já ia lá a casa dela.

 

 

A mais crescida convidou as amigas para o casamento.

 

 

 

O padre avisou a Aninhas para não ir a essa festa.

 

 

A Aninhas não deu ouvidos ao padre.

 

 

Algum tempo depois era Dia de Confissões.

 

 

A Aninhas foi confessar-se.

 

 

Ajoelhou-se junto ao confessionário. Benzeu-se. Rezou o acto de contrição. E, quando ia para abrir a boca para os pecados saírem, só teve tempo pra se levantar e sair da Igreja a chorar.

 

 

Foi o espanto entre crentes, beatas e pecadores arrependidos.

 

 

Derreada com as inquietações e as perguntas de todos, respondeu-lhes:

 

     - o senhor padre , mal levantou os olhos do breviário, olhou para mim e disse-me:

 

 

     -“Desaparece-me da vista! Não te dou a absolvição”!

 

 

Assustados, todos recuaram ao mesmo tempo. E bradaram:

 

 

     -“Credo in cruz, santu nome de jAsus”!

 

 

Mas “atão”?!... - exclamaram com tremendo espanto e em uníssono.

 

 

E a Aninhas, lavada em lágrimas, tolhida pela vergonha, aflita com os soluços, foi soletrando:

 

 

     -“O senhor padre disse que não me absolvia porque eu lhe tinha faltado ao respeito por ter ido ao casamento da Laida”!

 

 

No adro, encostado a uma das tílias, estava o Júlio Tralhão, jovem espigadote, estudante no Liceu, e que até «tinha andado no Seminairo» até ao 4º ano. Fazia horas, à espera da «sua» Tina.

 

 

Desatinado com o que acabara de «ber e de oubir», levanta a voz e atira para os crentes, beatas e pecadores arrependidos:

 

 

     -“Ah! Afinal não é Deus quem dá absolvição aos pecados! É o padre, conforme se sente satisfeito ou consolado nas suas vontades, desejos e caprichos!"

 

(1)

 

Pecadores arrependidos, beatas e crentes “meteram o nariz no chão “ e foram cada um para seu lado.

 

 

Passados alguns dias, o padre foi de visita a casa dos pais da Aninhas.

 

 

Apetecera-lhe uma boa merenda e uma boa pinga.

 

 

Nada como ir a casa dos pais da Aninhas, claro está!

 

 

Respeitoso e servil, o pai da Aninhas lá ia enchendo o copo ao padre e empurrando para a gula deste mais uma rodela de salpicão, outra de linguiça e duas fatias de presunto, depois de uma alheira frita na sertã e duas assadas nas brasas da lareira já estarem bem acamadas no papo do cura.

 

(2)

 

 

Quando o pai da Aninhas teve de ir buscar mais uma caneca de meia canada ao pipote especial, aproveitou para passar pela varanda, onde estava a Aninhas em conversa com umas amigas e com homens e mulheres a cuidar dos trabalhos no quinteiro.

 

 

O Ti Zé da Eira disse à filha:

 

 

     -“Bá! Faz as pazes com o senhor padre. Bai à adega buscar um copo de binho e ofrece-lho”.

 

 

     - “Nem um copo d’Água”! - gritou, alto e bom som, a rapariga.

 

 

Os homens e as mulheres no quinteiro e as amigas na varanda escutaram o que disse o pai d’Aninhas e ouviram o grito da moçoila.

 

 

E por toda a Aldeia se espalhou o som das palmas que as da varanda e os do quinteiro desataram a bater!

 

 

 

Romeiro de Alcácer

  (1) e (2) - Fotos de Tiago Ferreira. Tratamento digital, Berto Alferes.

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 22 de Junho de 2013

Contributo - Romeiro de Alcácer - “Par’Além dos meus olhos!"

 

“Par’Além dos meus olhos!

 

 

Descia a encosta das “Carvalhas” com a pressa da pontualidade, com a angústia do teste, com o consolo da torrada de pão centeio e da caneca de cevada feitinhas pela Avó, e com a esperança de se encontrar, no cair do dia com a cachopa do seu encanto.

 

No lusco-fusco mais carregado pela sombra das árvores da rua, ou no virar da esquina de onde não se visse vivalma a assomar da curva mais próxima, roubava um beijo trocado, carregadinho de alento para mil sonhos e projectos.

 

 

Era no tempo em que o amor era proibido, o beijo pecado mortal e o sonho condenado a degredo.

 

Um palmo de terra era riqueza, e um diploma coisa estranha para a maioria dos filhos de deus.

 

E Angola desenhava-se no horizonte imediato da carreira dos mancebos.

 

No final do dia, a ida à fonte, a buscar um cântaro de água fresca para se fazer a ceia, eram as «trindades» do arrulho, do xi - coração apertadinho com o brilho do arco-íris do olhar, do “amo-te” sussurrado pelo silencioso sibilo de uma boca feita coração, e do sinal de que nem o luar, o nevoeiro ou o relento impediriam o beijo e o abraço de promessa, antes da luz da vela ou da candeia se apagar.

 

 

A mãe não aprovava.

 

O pai, contrariado, aprovava a mãe.

 

Ele era bom rapaz!

 

Ela era boa rapariga!

 

Trinta anos passados, o rapaz encontrou-se com os pais da rapariga.

 

- “É a Vida! É a Vida!” - disse–lhe o pai, a enganar uma lágrima furtiva com um sorriso de bondade.

 

Um cântaro de consolos encha o coração dessa cachopa!

 

Para além dos meus olhos!...

 

Romeiro de Alcácer

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Humberto Ferreira . Berto Alferes

Pesquisar neste blog

 

Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
29
30

Posts recentes

Contributos - Romeiro de ...

Contributos - Romeiro de ...

Contributos - Romeiro de ...

Contributo - Romeiro de A...

Contributo - Romeiro de A...

Arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

acisat

agricultura

aldeias

ama

ambiente

amnistia internacional chaves

ana maria borges

antigamente

aqi

auto da paixão

berto alferes

boticas

casa de cultura

chaves

cogumelos

coleccionismo

comboios

contributos

desporto

dinis ponteira

diogo rolim

direitos humanos

esgotos

exposições

família

fátima

fauna

faustino

feira do gado

feira dos santos

fernando ribeiro

festa do reco

flora

fotografia

galiza

humberto ferreira

incêndio

isaac dias

j.b.césar

joão jacinto

joão madureira

josé arantes

lamartinedias

laura freire

legislação

lixo

luís montalvão

lumbudus

máquinas fotográficas antigas

marco costa

miguel ferrador

montalegre

natureza

notícias

olhares

orçamento participativo

orçamento participativo 2015

outeiro seco

pablo serrano

património

pedro afonso

pitões das júnias

políticos

recortes

regina celia gonçalves

religião

rita gonçalves

romeiro de alcácer

santarém

são sebastião

segirei

sr. luís fernandes

sr.joãojacinto

tiago ferreira

tradições

tupamaro

vamos até

verin

vidago

vítor afonso

todas as tags

Favoritos

Ocasionais

Blogues Amigos




Creative Commons License

AVISO:
A cópia ou utilização das fotografias e textos aqui publicados são expressamente proibidas, independentemente do fim a que se destinam.
Berto Alferes

Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License

Lumbudus

Tradições

Património

Coleccionismo

Fauna

Flora

Aviso




Creative Commons License

AVISO:
A cópia ou utilização das fotografias e textos aqui publicados são expressamente proibidas, independentemente do fim a que se destinam.
Berto Alferes

Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Visitas:

subscrever feeds