Outeiro Seco - AQI...

Tempo Outeiro Seco
Quarta-feira, 28 de Novembro de 2012

Contributos - Sr. João Jacinto - "Lendas de Outeiro Seco - A Lenda do Moinho do Cotête"

 

 

Lendas de Outeiro Seco - A Lenda do Moinho do Cotête

 

Não muito longe da risonha aldeia de Outeiro Seco, encontra-se junto ao ribeiro que atravessa essa mesma aldeia restos de algumas paredes onde outrora foi um moinho acerca do qual corre a lenda seguinte:

 

Numa noite invernosa, em que o vento rugia furioso e as nuvens negras como pez se amontoavam no céu, ameaçando uma grande tempestade, o sr. António tocando um pouco apressado o jumento carregado de centeio dirigia-se para este moinho para durante a noite moer esse centeio e na madrugada seguinte entregar a farinha aos donos. Seguia o caminho da Bagueira, bastante molhado durante o inverno e aqui e ali da boca do homenzinho saia uma praga, porque se tinha enterrado na lama e tinha molhado os pés.

 

Moinho das Freiras

 

E ora praguejando ora batendo no burro pois teimava em não querer andar por ter medo aos arbustos que sobressaiam das paredes la teimava seguindo a rota do moinho. Chegado ao lugar chamado pinheiral novo houve o balir dum cordeiro no meio de uns arbustos. Aos primeiros balidos não fez caso, porque tudo ao redor eram pinhais muito vastos e julgou ser talvez um pastor, que andasse com o gado num lameiro o qual fica bastante perto do caminho.

 

O moleiro pensando nisso, uma certa tristeza lhe vinha por não poder roubar o cordeiro. Andou algumas dezenas de passos e eis que vê um cordeiro preto no meio dumas silvas o qual procurava desembaraçar-se delas e fugir.

 

O moleiro ao vê-lo fez parar o burro com um forte berro, solta imediatamente a parede porque era bastante baixa e corre para o cordeiro. Agarra-o pelas pernas e de um puxão solta-o das silvas. Depois olha para um lado e para o outro com o fim de examinar se alguém via e não vendo ninguém, levanta-o do chão dirigindo-se para o jumento que estava parado no caminho.

  

Coloca o cordeiro no burro ata-o bem com a corda da cabeçada pois ele teimava em querer fugir e cobre-o com o mantão com que ia coberto os sacos ; depois toca apressado o burro.

 

Não tendo ainda dado muitos passos, de novo para olhando em volta para ver se alguém tinha visto, mas não vendo ninguém continua o seu caminho. Uma alegria o invade, pois já tinha carne para algum tempo dizia o moleiro para consigo. Não satisfeito de novo dá uma olhadela à sua volta porque o cordeiro tinha soltado um forte balido podendo ter ouvido alguma pessoa e não lhe seria muito agradável perder o achado.

 

 

Mas não. A essas horas por aquelas redondezas só se ouvia o ruido dos pinheiros ao baterem uns nos outros impelidos pelo vento. O moleiro já antegozava os pedaços de carne, os quais já nessa noite iria saborear dizia consigo:

 

- "Que sorte tive hoje!. Destes achados raras vezes aparecem... só é pena não ter vindo a minha Rosa para preparar melhor a carne assada, mas não interessa; ela era capaz de não deixar matar o animal, para o entregar ao dono."

 

Neste momento já bastante próximo do moinho o cordeiro dá um balido mais forte. Imediatamente ele olha para todos os lados e depois com um curto desdém disse:

 

- "Berra, Berra, tu vais já comer..."

 

Chegando ao moinho tirou de cima do burro o cordeiro e embrulhando no mantão foi colocá-lo num canto do moinho sem se incomodar que os sacos do centeio se molhassem embora nesse momento já chovesse bastante.

 

Depois de ele dar mais uma vista de olhos e reconhecer já estar bem preso sempre se resolveu a ir buscar os sacos.

 

Após isto, acende o lume e aguça bem a faca, para o matar e esfolar. Vai buscar um alguidar para não se perder o sangue colocando-o junto duma pedra um pouco mais saliente. Desata a corda com a qual estava preso o cordeiro, trá-lo para o colocar sobre a pedra saliente e agarrando-o com uma das mãos, com a outra agarra a faca, que estava ao lado e procura espete-la no pescoço do animal, para assim o matar.

 

 

Ele dá um grande berro bem alto, coloca-se na tremonha da mó do moinho e com uma grande algazarra, pois era o demónio disse para o homem que tremendo como varas verdes estava transido de susto:

 

- "António in !.... Tens os dentes assim!...."

 

E abria a enorme bocarra na qual brilhavam com fulgor diabólicas mas enormes dentes.

 

- "António badalo!.... Tens os dentes de cavalo!..."

 

Desapareceu. O homem sem saber quase o que fazia deitou a correr para casa onde chegou sem poder falar e por mais que lhe fizesse a mulher, ele só dizia "um.... um......um.....", e nada mais.

 

Só no dia seguinte ainda o homem tremia de medo pode contar à esposa o sucedido. Depois de irem buscar todas as coisas, que estavam no moinho, diz a lenda nunca mais esse homem voltou a ir para esses lados, nem jamais moleiro algum quis ir habitar tal moinho.

 

Moinho das Freiras

 

Assim o tempo se encarregou de destrui-lo, em cujo lugar hoje já só vêem os restos das paredes.

 

Autor: L. M. C. - Ano de 1958

 

João Jacinto

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
9 comentários:
De Luís Fernandes a 28 de Novembro de 2012 às 11:41


Sabe bem ler uma historiazinha destas.
Ficava bem o moinho reconstruído.
Moinhos, pontões, alminhas, dólmens, sepulturas pré-históricas, cruzeiros, enfim, pequenos marcos do Passado que nos trouxe (e continuara a trazer) até ao Presente de cada um de nós, bem merecem, pelo menos, um sinal de respeito e de consideração.
Provavelmente, esse moinho nem abrigo para coelhos serve. Talvez para somente para um «velho mocho sinistro, de cabeça de pensador».
Não estranhe o autor do Blogue, nem eventual leitor, o parágrafo anterior. O Post(al) de hoje fez-me recordar Alphonse Daudet e as suas “Cartas do Meu MOINHO”.
(Talvez que na próxima tenha de «compor o discurso num bosquezinho» de OUTEIRO SECO).
Saudações

Luís Fernandes

De Humberto Ferreira a 29 de Novembro de 2012 às 08:17
Bom dia Sr. Luís,
Obrigado pelo seu comentário.
Os moinhos, tanto aquele aque se refere a lenda (que praticamente já não existe), como o das fotos estão em propriedades privadas.
Já as suas "peças" estarão espalhadas sabe-se lá por onde, como as da segunda foto, que estão num jardim junto à Igreja de Na. Sa. da Azinheira.
Talvez sigam os exemplos dados pelas instituições públicas que deliberadamente destroem (caso das sepulturas junto à Capela de Na. Sra da Portela) ou abandonam (caso do Solar dos Montalvões e outros) o patrímónio que nos foi legado.
Um abraço,
Berto
De Nuno Santos a 29 de Novembro de 2012 às 12:11
Quem lê um conto acrescenta-lhe um ponto. Esta lenda que terá sido escrita, presumo pela D. Mimi Montalvão Cunha, mas na aldeia é mais conhecida com outra versão. A acção terá decorrido no moinho das Freiras e não no da Serragem, nome pelo qual era conhecido o moinho do Cotete, sendo propriedade da família Ferreira, antepassados do administrador deste blog.
Desse moinho restam apenas as fundações, porquanto o moinho ardeu nos finais da década de trinta, ao que dizem por fogo posto, por um elemento da família proprietária.
O ponto acrescentado terá sido quanto autor do episódio. O povo diz ter sido com um dos antepassados do Gonçalos, daí o - Gonçalo im Gonçalo im o teu pai tinha os dentes assim.
A D. Mimi Montalvão Cunha tem outras lendas publicadas, eu próprio enquanto miúdo, li algumas publicadas no Comércio do Porto, um jornal que se lia diariamente em nossa casa, comprado pelo meu avô Eurico.
Um abraço,
Nuno Santos
De Humberto Ferreira a 30 de Novembro de 2012 às 10:16
Bom dia Nuno,
Obrigado pela tua visita e comentário.
Um abraço,
Berto
De joaojacinto a 30 de Novembro de 2012 às 11:44
Caro conterraneo quanto ao autor destas lendas, ou destes escritos sobre O. Seco no final eu irei publicar quem é a pessoa. Pois nem de O. seco é, alem disso possuo uma foto dele, netes te momento ainda é vivo segundo as informações que recolhi, não sei sé é decendente de Outeirosecanos. steve vários anos nas ex-colonias.por isso só pus as iniciais. Nem pareces ser Sportinguista, aguenta, eu tambem sou lagarto temos de aguentar. joaojacinto
De joaojacinto a 30 de Novembro de 2012 às 11:51
Caro conterraneo, quanto ao autor das lendas, tem um autor, não é de Ou. Seco , não sei se é descendente de pessoas de O. Seco, não vive atualmente no Concelho de Chaves, visita a terra que o viu nascer algumas vezes, ainda é vivo segundo as diligencias que fiz, e que Deus dê mais anos de vida. Esteve nas ex-colonias. Tenho foto dele ainda jovem, para veres vou publicar mais duas lendas dele. Mas se paciente nem pareces lagarto, eu tambem sou, e o Godinho ainda acredita no campeonato ta bem.joaojacinto
De Bastos Ferreira Patrique a 30 de Novembro de 2012 às 08:42
Ola primo, tens aqui um blog muito interessante, parabens. Ja ha muito que nao ia ver. Abraço
De Humberto Ferreira a 30 de Novembro de 2012 às 10:17
Obrigado Patrique.
Um abraço,
Berto
De Bastos Ferreira Patrique a 30 de Novembro de 2012 às 08:44
Ola primo, tens aqui um blog muito interessante, parabens. Ja ha muito que nao ia ver. Abraço

Comentar post

Humberto Ferreira . Berto Alferes

Pesquisar neste blog

 

Outubro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Vídeo: Feira dos Santos d...

Vídeo: Festa de São Migue...

Outeiro Seco - Resultados...

14 anos de Valorização da...

Vídeo: Festa de Nossa da ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Dia Mundial da Fotografia...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Centenário da chegada do ...

Arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Setembro 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

agricultura

águas de chaves

águas frias

aldeias

alturas do barroso

ama

ambiente

amial

amiar

antigamente

ao acaso

aqi

aquanatur

aquavalor

arte digital

auto da paixão

barroso

berto alferes

boticas

camera collector

casa de cultura

castelo de monforte de rio livre

cerdeira

chaves

chaves em festa

chegada do comboio a chaves

cidade de chaves

cogumelos

coleccionismo

comboios

contributos

desporto

dinis ponteira

esgotos

estrada nacional 2

exposições

fauna

faustino

feira do gado

feira dos santos

fernando ribeiro

festa comunitária

festa do reco

flora

fotografia

fotografia antiga

friães

galiza

humberto ferreira

j.b.césar

joão jacinto

joão madureira

lamartinedias

laura freire

legislação

lixo

lumbudus

máquinas fotográficas antigas

montalegre

museu de fotografia

n2

natureza

notícias

o poema infinito

old cameras

olhares

orçamento participativo

orçamento participativo 2015

outeiro seco

património

políticos

poluição

poluição em chaves

portugal

rapa das bestas

recortes

religião

rio tâmega

romeiro de alcácer

rota termal e da água

santarém

são sebastião

sarraquinhos

seara

sr. luís fernandes

sr.joãojacinto

suas cabras

telhado

termas de chaves

tiago ferreira

tradições

trás-os-montes

vamos até

verin

viagens no tempo

vidago

vidago palace hotel

vintage cameras

visit chaves

vítor afonso

todas as tags

Blogues Amigos




Creative Commons License

AVISO:
A cópia ou utilização das fotografias e textos aqui publicados são expressamente proibidas, independentemente do fim a que se destinam.
Berto Alferes

Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License

Lumbudus

Tradições

Património

Coleccionismo

Fauna

Flora

Aviso




Creative Commons License

AVISO:
A cópia ou utilização das fotografias e textos aqui publicados são expressamente proibidas, independentemente do fim a que se destinam.
Berto Alferes

Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

subscrever feeds