Outeiro Seco - AQI...

Tempo Outeiro Seco
Quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2013

Contributos - Sr. João Jacinto - Tradições desaparecidas - "Páscoa de Antigamente"

 

 

 

PÁSCOA DE ANTIGAMENTE

 

Tradições desaparecidas

 

A Páscoa representa para os cristãos a festa de Ressureição de Cristo. Durante séculos estalaram diversas contendas entre a cristandade, no que diz respeito à celebração da Páscoa.

 

Foi no 1º. Concílio de Niceia, que estabeleceram no ano de 325 a celebração no primeiro domingo depois da primeira lua cheia da Primavera, dentro do espaço temporal entre 22 de Março a 25 de Abril.

 

Quinta -Feira de endoenças

Sexta-Feira de Paixão

Sábado de Aleluia

Domingo de Ressureição

(esta quadra ainda hoje se houve às pessoas idosas da aldeia)

 

Depois de terça-feira de Entrudo, tem início a Quaresma, tempo de preparação para a Páscoa, tempo de jejum e abstinência e de grande tristeza, e um grande clima de religiosidade, era comum nas mulheres da aldeia, vestidas todas de negro, e as mais novas evitavam as cores garridas.

 

Também nos trabalhos agrícolas, não se ouviam cânticos, pois os homens nem podiam assobiar, não se diziam palavrões, além de várias outras coisas.

 

 

Nas igrejas ou capelas, não se colocavam flores nos altares e os santos eram ocultados com tecidos de cor roxa ou preta. Também o uso do sino era restringido. Era um tempo de silêncio e recolhimento colectivo. Na Quinta-Feira Santa, pelo meio-dia tocava o sino, tudo regressava a casa, até Sexta-Feira Santa ao meio dia, tudo era proibido: lavar, estender a roupa, pentear, fiar, cozer o pão…

 

Durante esse período da Quaresma até ao dia de Páscoa, havia um ritual ou seja uma tradição antiquíssima da cultura popular, e que desapareceu completamente da aldeia de Outeiro Seco. Sabemos que teve a sua origem no Século XV, não sabemos quando foi realizada pela última vez na aldeia. Sabemos que era às quartas-feiras (noite), e sextas (noite).

Sabemos também que nessa altura uma pessoa de Vila Verde da Raia se deslocava a Outeiro Seco, nesses dias para celebrar a “Encomenda das Almas” ou “Encomendação das Almas”. O seu nome era “Gilo Mouco”.

 

 

Este indivíduo subia à torre sineira da igreja, que era o ponto mais alto e era acompanhado por outro indivíduo. Davam início por volta das 22.00 horas à “Encomenda das Almas”, dando três badaladas no sino, e começava a recitar umas quadras em tom melancólico, entre cada quadra davam-se três badaladas, e rezava-se um Pai Nosso, e uma Avé Maria, e o povo recolhido em casa, acabada a quadra rezava.

 

Tenho algumas quadras recolhidas. Há uns bons anos, que uma pessoa da aldeia, já falecida em 1995, teve a amabilidade de nos transmitir, e por mim registadas na altura. Apenas vou aqui passar algumas, visto serem bastantes.

 

Acordai ò irmãos meus

Desse sono tão profundo

É bom que nos lembremos

Das Almas do outro mundo

(três badaladas)

Pai Nosso e Avé Maria

 

Acordai ò irmãos meus

Não vós fiqueis a dormir

Que as Almas do outro mundo

Orações estão a pedir

(três badaladas)

Pai Nosso e Avé Maria

 

Olha Cristão que és terra

Olha que hás-de morrer

Hás-de dar conta a Deus

Do teu bom e mau viver

(três badaladas)

Pai Nosso e Avé Maria

 

Confessa os teus pecados,

Emenda a tua vida

Que a morte te anda buscando

De noite e mais de dia

(três badaladas)

Pai Nosso e Avé Maria

 

E por aí fora. As pessoas da aldeia acompanhavam isto repetindo o Pai Nosso e Avé Maria, reunidos junto à lareira.

 

 

A pessoa que teve a gentileza de nós passar este testemunho, além de mais algumas coisas, pois que ela também o recebeu de sua mãe, e de um outro Senhor Manuel Pipa, pai dos Pipas de Outeiro Seco e que estava casado com a Senhora Rita Vilarelho, foi a Sra. Ana dos Santos Batista, mais conhecida por “Ana Moucha”.

Que Deus a tenha no Reino da Glória, e daqui um muito obrigado por nos legar este testemunho, se não teria sido tudo perdido.

 

Também temos conhecimento que esta tradição ainda se pratica na aldeia de Cimo de Vila da Castanheira.

 

João Jacinto

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Humberto Ferreira . Berto Alferes

Pesquisar neste blog

 

Fevereiro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

Posts recentes

Castelo de Monforte de Ri...

Águas Frias

Igreja de Nossa Senhora d...

Boas notícias: CMChaves n...

Geada

Geada

Geada

Bolideira

Pedra da Bolideira

Igreja de Nossa Senhora d...

Terceiro Passo (Via Sacra...

Igreja de São Miguel (Mat...

Capela de Santana (Santa ...

Castelo de Monforte de Ri...

Castelo de Monforte de Ri...

Igreja de Nossa Senhora d...

Tanque

Solar dos Montalvões

Hoje, São Sebastião em Vi...

Dia 20, vamos até ao São ...

Dia 20, vamos até ao São ...

Igreja de São Miguel (Mat...

Igreja de Nossa Senhora d...

Nosso Senhor dos Desampar...

Azeitona

Castelo de Monforte de Ri...

Castelo de Monforte de Ri...

Ex-escolas primárias

Romã

Igreja de Nossa Senhora d...

Arquivos

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

agricultura

águas de chaves

águas frias

aldeias

alturas do barroso

ama

ambiente

amial

amiar

amnistia internacional chaves

ana maria borges

antigamente

antónio souza e silva

ao acaso

aqi

aquanatur

aquavalor

arte digital

auto da paixão

barroso

berto alferes

boticas

camera collector

casa de cultura

cerdeira

chaves

chaves em festa

cidade de chaves

cogumelos

coleccionismo

comboios

contributos

desporto

dinis ponteira

esgotos

estrada nacional 2

exposições

fauna

faustino

feira do gado

feira dos santos

fernando ribeiro

festa comunitária

festa do reco

flora

fotografia

fotografia antiga

friães

galiza

humberto ferreira

j.b.césar

joão jacinto

joão madureira

lamartinedias

laura freire

legislação

lixo

lumbudus

máquinas fotográficas antigas

montalegre

museu de fotografia

n2

natureza

notícias

o poema infinito

old cameras

olhares

orçamento participativo

orçamento participativo 2015

outeiro seco

património

políticos

poluição

poluição em chaves

portugal

rapa das bestas

recortes

religião

rio tâmega

romeiro de alcácer

rota termal e da água

santarém

são sebastião

sarraquinhos

seara

sr. luís fernandes

sr.joãojacinto

suas cabras

telhado

termas de chaves

tiago ferreira

tradições

trás-os-montes

vamos até

verin

vidago

vidago palace hotel

vintage cameras

visit chaves

vítor afonso

todas as tags

Blogues Amigos




Creative Commons License

AVISO:
A cópia ou utilização das fotografias e textos aqui publicados são expressamente proibidas, independentemente do fim a que se destinam.
Berto Alferes

Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License

Lumbudus

Tradições

Património

Coleccionismo

Fauna

Flora

Aviso




Creative Commons License

AVISO:
A cópia ou utilização das fotografias e textos aqui publicados são expressamente proibidas, independentemente do fim a que se destinam.
Berto Alferes

Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

subscrever feeds