Outeiro Seco - AQI...

Tempo Outeiro Seco
Quarta-feira, 31 de Julho de 2013

Contributos - Sr. João Jacinto - "Outeiro Seco - Crise e Emigração"

 

 

OUTEIRO SECO - CRISE E EMIGRAÇÃO

 

Hoje o tema que aqui trago é a emigração, aliado as várias crises, que a nossa região passou ao longo de séculos, e as quais Outeiro Seco não ficou imune.

 

Hoje somos brindados constantemente, pelos mais variados meios de comunicação, com a palavra “crise”, além dos contantes incentivos à emigração, levando a nossa juventude a abandonar o país, partindo para outras paragens, jovens talentos, e que tanta falta fariam por cá.

 

Mas o seu país nega-lhe aquilo que já noutros tempos negou aos seus antepassados. Vamos aqui relatar, ou talvez fazer um pouco de história, do passado talvez para melhor entender o presente. Pois foram várias as crises ao longo de vários séculos, muito em especial durante o período da Monarquia, e depois com a República, depois do 28 de Maio, e durante a ditadura e os anos 60, e aquela que ainda hoje nos dá cabo da paciência.

 

Houve Outeiro Secanos, que emigraram para os mais diversos países durante esses tempos, Brasil, Estados Unidos, Cuba, Uruguai, Argentina, e mais tarde já na década de 60 França.

 

Aquilo que me propus tratar aqui é a emigração/crise, antes da implantação da República, ou seja na época de 1800 a 1904. Alguma impressa da época dá-nos conta da situação desses tempos.

 

(1)

 

EMIGRAÇÃO

 

"As povoações deste concelho estão dando dia a dia cada vez maiores contingentes para a emigração nacional, com destino ao Brasil. Ultimamente saem, quase todos os dias dezenas de habitantes deste concelho, o que prova bem à evidência a grande crise da miséria, do insuportável mal estar, que esta região atravessa, crise devido ao mal geral de que enferma afinal todo o país, e especialmente ao desprezo a que os governos tem votado esta parte da nação. A continuar esta corrente de emigração dentro de pouco tempo nas pobres aldeias deste concelho, só ficarão velhos e inválidos.

 

E continua a imprensa local:

 

"Quase não passa um dia em que não vejamos partir com destino ao Brasil homens válidos que em terras estranhas, longe dos seus, vão procurar uma vida mais desafogada, do que a que passam na sua terra, onde a falta de trabalho os lança na mais deplorável miséria.

 

Por diversos motivos, como se sabe, a maior parte destes emigrantes pretende fazer viagem clandestina que se fazia pelas partes da vizinha Espanha, traz-nos à recordação a emigração para França nos anos 60 a salto. Era difícil na época obter um passaporte da parte do Governo civil, a única alternativa era a de emigrar clandestinamente, pois muitas das vezes não corriam bem, e lá se perdia tudo. Pois que a passagem era caríssima, além do pagamento suplementar ao intermediário. Esta emigração clandestina era um autêntico flagelo.

 

Sendo a maior parte dos emigrantes com destino ao Brasil , para as zona do Rio de Janeiro, Santos Pará e Manaus. Como nos recordamos nos anos 60, havia a repressão deste tipo de emigração e que era feita pela PIDE.

 

Também na época que aqui focamos havia a repressão por parte da Policia Especial de Emigração, que era comandada em Chaves pelo Sr. António Joaquim de Carvalho, este trabalhava em estreita colaboração com a Guarda Civil Espanhola. Apresentamos aqui uma pequena lista de pessoas pertencentes às aldeias do concelho, e que foram presas quando tentavam apanhar o vapor no porto de Vigo com destino ao Brasil.

 

Os presos são os seguintes:

 

José Bernardino Rodrigues, lavrador de 16 anos da freguesia de Redondelo.

António Veras, de 20 anos e Samuel Teixeira de 17 anos, ambos jornaleiros da freguesia da Torre do Couto.

José Garcia de 24 anos, carpinteiro da freguesia de Vilarelho.

Manuel Pires, António Martins, e José Alves Guerra, naturais de Vilela Seca.

Constantino Fernandes das Eiras.

José dos Reis de Vilarelho.

 

Pois seria uma lista interminável, além de vários outros emigrantes das mais diversas partes do país.

 

(2)

 

Como não podia deixar de ser, não podíamos deixar de lado Outeiro Seco, pois era aqui que eu queria chegar, Outeiro Seco não escapava a esta euforia. Uns partiam pela via legal e outros clandestinamente, foram vários os que em Vigo apanhavam o vapor com destino ao Brasil, os que detinham passaporte apanhavam o vapor, no Porto ou na Povoa de Varzim.

 

Como a miséria gera miséria, o sonho do Brasil atormentava todos os Outeiro Secanos, para muitos não passava de uma ilusão. Alguns morriam em pleno alto mar, outros vendiam todos os bens que possuíam, para comprar as passagens, outros hipotecavam os bens, muitos deles regressavam com as mãos a abanar, e outros por lá ficaram.

 

Vamos tratar aqui de alguns casos, famílias inteiras que partiram para o Brasil, e das quais não há vestígios em Outeiro Seco, e se desconhece a sua descendência em terras do Brasil. Pois em verdade não sabemos nada de nada.

 

(3)

 

Vamos falar desta família de Outeiro secanos:

 

António Dume Acácio, nasce em Outeiro Seco, por cá vive vários anos, com 46 anos de idade e no ano de 1879, parte com destino ao Brasil, desconhecemos os anos que por lá esteve. Mas não serão muitos, em 1881, assume as funções de Regedor de Paróquia em Outeiro Seco, sendo demitido dessas funções passado pouco tempo. Mas no ano de 1887, assume novamente as funções de Regedor, envolvido em uma polémica é demitido das funções. Em 1888, verificamos que Satiro Dume Acácio com a idade de 13 anos, parte com destino ao Brasil, devendo ser um familiar do tal António Dume Acácio. Mas a nossa maior surpresa é quando descobrimos que António Dume Acácio, no mês de Dezembro de 1888, já com a idade de 56 anos, acompanhado pela Eugénia da Silva esposa com a idade de 32 anos, e por António filho de 12 anos, Eugénio filho de 11 anos, João filho de 8 anos, Carminda filha de 5 anos, Olivério filho de 3 anos e Laura filha de 9 meses, partem com destino ao Brasil, não descobrimos a zona para onde foram assim como desconhecemos a sua descendência em terras do Brasil.

 

Várias outras famílias nessa época deixaram O. Seco, das quais desconhecemos o seu paradeiro por terras do Brasil, sendo muitos deles clandestinos. Apresento aqui mais alguns nomes de gente muito jovem, que partiu com a esperança de uma vida melhor, mas que tiveram de percorrer os caminhos da amargura:

 

Abril de 1880 - Ana Vicente Madeira - 22 anos acompanhada de Alfredo filho de 4 meses.

Dezembro de 1888 - Mais uma família Domingos Luís Madeira 39 anos

Acompanhantes: Maria das Dores Esposa 37 anos

Felicidade, filha 18 anos

Eugénia, filha 15 anos

Ermelinda, filha de 10 anos

Cacilda, filha de 4 anos

António, filho de 2 anos

Carlota, filha de 4 meses.

Janeiro de 1879 -António de Sá Tenreiro 21 anos.

Março de 1913- António Madeira de 29 anos.

 

Muitos mais aqui poderíamos colocar, ficamos por aqui à espera de um dia sabermos a verdade e assim completar toda esta pequena história.

 

João Jacinto

 

(1) - Fotografia pertencente a Armindo Chaves de Sousa (Armindo Escaleira) 

(2) - Fonte: Santos Pereira (2010)

(3) - Fonte: Diário de Notícias - 23032012

 

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Humberto Ferreira . Berto Alferes

Pesquisar neste blog

 

Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
17
18
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Flores

Dia Mundial da Fotografia

Passarada

Coleccionismo - Equipamen...

Boas notícias: Junta de F...

Coleccionismo - Equipamen...

Imagens complementares à ...

Coleccionismo - Equipamen...

Flores

Coleccionismo - Equipamen...

Flores

Coleccionismo - Equipamen...

Flores

Coleccionismo - Equipamen...

Capela de Nosso Senhor do...

Coleccionismo - Equipamen...

Boas notícias: CMChaves e...

Coleccionismo - Equipamen...

Passarada

Coleccionismo - Equipamen...

Exposição da colecção par...

Coleccionismo - Equipamen...

Passarada

Coleccionismo - Equipamen...

Capela de Santana / Santa...

Coleccionismo - Equipamen...

Boas notícias: CMChaves e...

Coleccionismo - Equipamen...

Passarada

Coleccionismo - Equipamen...

Arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

agricultura

águas de chaves

águas frias

aldeias

ama

ambiente

amial

amiar

amnistia internacional chaves

ana maria borges

antigamente

ao acaso

aqi

aquanatur

aquavalor

arte digital

auto da paixão

bagulhão

beçós

berto alferes

boticas

camera collector

carvalho

casa de cultura

castanheira da chã

cepêda

cerdeira

chaves

chaves em festa

cidade de chaves

cogumelos

coleccionismo

comboios

contributos

corva

desporto

dinis ponteira

esgotos

estrada nacional 2

exposições

fauna

faustino

feira do gado

feira dos santos

fernando ribeiro

festa do reco

flora

fotografia

fotografia antiga

friães

galiza

humberto ferreira

j.b.césar

joão jacinto

joão madureira

lamartinedias

laura freire

legislação

lixo

lumbudus

máquinas fotográficas antigas

montalegre

museu de fotografia

n2

natureza

notícias

old cameras

olhares

orçamento participativo

orçamento participativo 2015

outeiro seco

património

políticos

poluição

poluição em chaves

portugal

rapa das bestas

recortes

religião

rio tâmega

romeiro de alcácer

rota termal e da água

santarém

sarraquinhos

seara

sr. luís fernandes

sr.joãojacinto

suas cabras

telhado

termas de chaves

tiago ferreira

tradições

trás-os-montes

vamos até

verin

vidago

vidago palace hotel

vintage cameras

visit chaves

vítor afonso

todas as tags

Blogues Amigos




Creative Commons License

AVISO:
A cópia ou utilização das fotografias e textos aqui publicados são expressamente proibidas, independentemente do fim a que se destinam.
Berto Alferes

Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License

Lumbudus

Tradições

Património

Coleccionismo

Fauna

Flora

Aviso




Creative Commons License

AVISO:
A cópia ou utilização das fotografias e textos aqui publicados são expressamente proibidas, independentemente do fim a que se destinam.
Berto Alferes

Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Visitas:

subscrever feeds