Outeiro Seco - AQI...

Tempo Outeiro Seco
Quinta-feira, 27 de Maio de 2010

Obrigatoriedade de vacinar e identificar os cães

Uma das actividades anuais para quem tem animais domésticos, neste caso cães, é o da vacinação, sendo a da raiva obrigatória.

As restantes não o são, mas convém administra-las, uma vez que são contagiosas, difíceis de curar (algumas incuráveis) e os custos envolvidos nos tratamentos são elevados.

 

 

Previamente, como é óbvio, os cães têm de ser desparasitados internamente através de comprimidos e, externamente utilizando as coleiras antiparasitárias ou as pipetas.

Embora haja várias clínicas veterinárias que prestem este serviço em Chaves, desde há uns anos a esta parte trabalhamos com a Clínica Veterinária os Bichos, quer por amizade com os proprietários e restante pessoal, quer pelo profissionalismo, com o qual não temos tido problemas, atendem bem os nossos cães e tem a vantagem de fazerem domicílios, o que para nós, tendo seis cães e sendo quatro deles de grande porte, dá muito jeito. Seguem fotos de uma parte do interior da clínica e da ambulância utilizada também para as deslocações aos domicílios.

 

 

Como tal, vou "roubar" alguma informação ao site www.osbichos.pt, quero dizer, que eles permitiram amavelmente transcrever para que tudo fique mais claro. Tudo poderá ser encontrado a partir da página inicial do site que se segue:

 

 

 

Para já agradeço ao Dr. Álvaro, à Dra. Joana, à Dra. Lisete e à Anabela, as informações que me forneceram e os textos e as fotos cedidas. Obrigado.

A cada animal é emitido pela Clínica um Boletim Sanitário, onde são descritas todas as vacinas e desparasitações que são efectuadas, tal como os exemplos que se indicam a seguir, que pertencem a um dos nossos cães.

 

 

 

 

O plano de vacinações completo, que facilmente poderá ser encontrado no site acima referido, também me foi cedido pela Clínica Veterinária os Bichos e que aqui reproduzo por achar que o mesmo se encontra bastante completo.

 

 

De seguida, estando na posse do Boletim Sanitário do animal deverá com o mesmo dirigir-se à Junta de Freguesia no sentido de ser emitida a respectiva Licença. Segue um exemplo da Licença nº 7/2010, correspondente à Luna.

 

 

 

No caso de alguém possuir um cão mais agressivo ou de alguma das raças consideradas perigosas, o melhor será também contratar um seguro para eventuais danos que o cão possa causar.

O mesmo também é aconselhável se pretender ser produtor de uma determinada raça e for o proprietário da fêmea, uma vez que há sempre a tendência dos potenciais clientes quererem tocar nos cachorros e as mães não costumam gostar que os estranhos se aproximem e ainda menos que toquem nos seus filhos.

Neste último caso, sendo proprietário da fêmea, também aconselharia a obtenção de um afixo junto do Clube Português de Canicultura. É uma espécie de "apelido" dos cachorros, mas que só herdam da sua progenitora. O meu afixo é "Casa dos Alferes", independentemente das raças que eu pretenda criar.

 

Outro dos assuntos que ganhou importância, com algumas agressões de cães que surgiram nos meios de comunicação social, foi o da identificação dos mesmos, porque o que acontecia muitas vezes, era que o cão não pertencia a ninguém.

O Decreto-Lei nº 313/2003, veio de certo modo regulamentar algumas dessas situações, mas no meu entender, o custo da identificação, que deveria ser gratuito como em outras espécies animais, ainda faz com que muitos proprietários "fujam" a esta obrigação.

Por outro lado e, isto também na minha opinião, o cão (tal como outros animais domésticos) é o reflexo do seu dono, pelo que quem deveria ser identificado, não seria o cão, mas sim os donos, esses sim são perigosos.

Por acaso, não tenho aqui uma fotografia do Tiago com um Rottweiller que o meu irmão teve ou da minha primeira Luna (São Bernardo), que pousava a sua enorme cabeça sobre o berço dele quando ainda era bebé e ficava muito quietinha a guardá-lo.

A descrição que é feita de animais perigosos no citado Decreto-Lei, dá vontade de rir, mas enfim, mais uma vez, quem sabe, sabe...

 

O texto que se segue sobre a identificação electrónica de animais (neste caso em apreço, dos cães), pertence também à Clínica Veterinária Os Bichos e foi-me amavelmente cedido. Parece-me conciso, mas muito completo e muito importante. No final, tive o cuidado de sublinhar e escurecer o texto devido à obrigatoriedade de todos os cães nascidos após 01/07/2008, terem de ser identificados, mas o melhor é mesmo ler o texto.

  

IDENTIFICAÇÃO ELECTRÓNICA

A identificação dos animais de companhia é essencial nos domínios sanitário, jurídico e humanitário, pois visa tanto a defesa da saúde pública como animal.
Desde há 15 anos que se generalizou na Europa a identificação electrónica dos animais de companhia.
O microchip pode ser colocado em cães, gatos, cavalos, aves e animais exóticos. Tem como objectivo combater e prevenir o abandono e o roubo do seu animal.

O microchip deve ser colocado subcutaneamente na face lateral esquerda do pescoço, sendo o procedimento praticamente indolor. A cada microchip está associado um número de identificação, de leitura óptica inalterável e único no mundo. Este tem o tamanho de um bago de arroz (12 mm/ 2 mm) e é revestido por uma capa de polipropileno bio-compatível que não provoca nenhum tipo de reacção alérgica após a sua colocação.
Após a aplicação do microchip este permanece no animal para toda a vida.

Com a entrada em vigor do Decreto-Lei nº 313/2003 de 17 de Dezembro, passou a ser obrigatória, a partir de Julho de 2004, a identificação por microchip de:

a) Cães de raça perigosa ou potencialmente perigosos, tal como definidos em legislação específica (Cão de Fila Brasileiro; Dogue Argentino;
Pit Bull Terrier; Rottweiler; Staffordshire Terrier Americano; Staffordshire Bull Terrier; Tosa Inu);

b) Cães utilizados em acto venatório (cães de caça);

c) Cães em exposição, para fins comerciais ou lucrativos, em estabelecimentos de venda, locais de criação, feiras e concursos, provas funcionais, publicidade ou fins similares.

Segundo o mesmo Decreto-Lei passou a ser obrigatória colocação de microchip a todos os animais canídeos nascidos depois de 1 de Julho de 2008. Sempre que seja declarada obrigatória a vacinação anti-rábica ou outros actos de profilaxia médica, estes não poderão ser executados enquanto o animal não estiver identificado electronicamente, nos casos em que esse modo de identificação seja obrigatório.

 

Para finalizar, para aqueles a quem interesse e que nunca tenham visto, deixo uma cópia do "Pedigree" (frente e verso) da Luna, ou, como o Clube Português de Canicultura agora passou a chamar-lhes: Certificado de Registo no Livro de Origens Português (L.O.P.). A quem interesse também, o standard da raça do Cão de São Bernardo é o FCI-61. No "pedigree" pode-se ver a indicação do número do microchip.

Tive o cuidado de ocultar qualquer referência ao vendedor, para que nenhum visitante tivesse a tentação de ir lá comprar. Foi comigo uma pessoa sem escrúpulos, vendeu-me um macho doente e mesmo com o relatório do médico veterinário não quis trocá-lo, nem vender-me outro por um preço inferior. Fica o esclarecimento.

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:10

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
7 comentários:
De geno figueiras a 27 de Maio de 2010 às 16:38
boa tarde para todos razoes porque de vemos vacinar os animais? todo cão ou gato independente da raça deve ser vacinado apartir dos 45 dias quando perde a imunidade passiva (passada pela mãe) e fica totalmente vulnerável para as doenças.
A vacinação é um dos cuidados mais importantes que devemos ter com o nosso cão ou gato. Através da vacina, o sistema de defesa do animal "aprende" a produzir determinados anticorpos, rapidamente. A vacina contém vírus e/ou bactérias, mortos ou inativados, que NÃO causam a doença, mas ensinam o organismo a se defender dela.
A "memória" do sistema imunológico é relativamente curta nos animais. Assim, há a necessidade de "relembrar" periodicamente esse sistema de defesa como ele deve produzir anticorpos. É por isso que precisamos revacinar cães e gatos todo ano. Sem a revacinação, o animal volta a ficar desprotegido.
Todo esse processo é muito importante para a manutenção da saúde de cães e gatos, daí a necessidade de se utilizar vacinas de qualidade. Algumas doenças podem ser transmitidas dos animais para o homem (zoonoses). Vacinar é cuidar da saúde do animal de estimação e das pessoas que convivem com ele.
São aplicadas sempre três doses para assegurar a imunidade (existe uma razão para isso), algumas vezes a primeira dose não "pega" por que se o filhote ainda tiver anticorpos passados pela mãe, esses anticorpos podem "neutralizar" a vacina. O por que de mais duas ou três doses (algumas raçãs de cães exigem quatro doses!) não irei explicar por que é uma questão de imunologia e resposta celular que quem é leigo no assunto não vai entender nada.
Você deve ter a preocupação de saber a procedência da vacina que está sendo aplicada em seu animal. Uma vacina só é considerada "boa" se tiver como origem um laboratório conceituado, que invista em pesquisa e tecnologia. As chamadas "vacinas éticas" são produzidas por esses laboratórios e vendidas apenas para profissionais veterinários que têm o conhecimento de como armazenar o produto e em que condições aplicá-lo. A eficácia dessas vacinas é comprovada.

De Humberto Ferreira a 27 de Maio de 2010 às 16:45
Olá Geno,
Boa tarde, isso sim é uma explicação como deve ser e o resto é conversa.
Um abraço,
Berto
De geno figueiras a 27 de Maio de 2010 às 16:42

As "vacinas não éticas", por sua vez, podem ser vendidas para lojas ou pet shops. Por esse motivo, elas são aplicadas até mesmo nos balcões desses estabelecimentos, por vendedores ou funcionários. Como saber o caminho percorrido por essa vacina antes de ser aplicada em seu animal? Será que ela foi mantida o tempo todo na temperatura ideal? Será que o cão estava em condições de saúde ideais para receber a imunização naquele momento? A eficácia desse tipo de vacinação, feita sem a supervisão de um veterinário, é discutível. Não há garantias de que seu animal estará protegido. Você arriscaria a saúde do seu amigão? Já vi muitos casos de cães vacinados por esse tipo de vacina morrendo de cimomose ou parvovirose.
Na hora de vacinar seu cão ou gato, não aceite qualquer vacina e exija a presença de um profissional para aplicá-la. Converse com o veterinário e procure o melhor para o seu animal. Você estará investindo na saúde dele e de sua família, e evitará gastos muito maiores caso o seu cão ou gato adoeça, vitima de alguma dessas doenças que poderiam ser evitadas se tivesse recebido uma boa vacina.
De JAS a 27 de Maio de 2010 às 22:04
BOA NOITE!
O POST DE HOJE É MUITO IMPORTANTE PORQUE NOS DÁ MUITAS INFORMAÇÕES UTEIS SOBRE OS ANIMAIS DOMESTICOS EM ESPECIAL SOBRE A VACINAÇÃO DOS CÃES...
OBRIGADO AO BERTO POR ESTE ESCLARECIMENTO!
De GUSTAVO a 15 de Novembro de 2010 às 17:45
OLÁ, ESTOU NO BRASIL E GOSTEI DO ENTENDIMENTO SOBRE O ASSUNTO, SOU MÉDICO VETERINARIO E GOSTARIA DE SABER MAIS COMO NA EUROPA É FEITO ESTE REGISTRO E A OBRIGATORIEDADE DO MESMO EM PAISES DA EUROPA? E COMO FUNCIONA AS LEIS DE PROTEÇÃO ANIMAL ? E A MICROCHIPAGEM DOS ANIMAIS?
OBRIGADO
ATT, GUSTAVO
De Humberto Ferreira a 15 de Novembro de 2010 às 19:19
Olá Gustavo,
Obrigado pela sua visita e pelo comentário.
Para responder às suas questões, uma vez que não sou especialista na área (sou filho de lavradores e trabalhei de 1988 a 1996 apenas como auxiliar de pecuária), aconselhava-o a visita à página da Direcção Geral de Veterinária, onde poderá encontrar respostas mais adequadas e objectivas.
Disponha sempre,
Berto
De Humberto Ferreira a 15 de Novembro de 2010 às 19:21
Olá Gustavo,
A ligação à página é esta. Por lapso não a deixei no anterior comentário:
http://www.dgv.min-agricultura.pt/portal/page/portal/DGV

Comentar post

Humberto Ferreira . Berto Alferes

Pesquisar neste blog

 

Fevereiro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

Posts recentes

Castelo de Monforte de Ri...

Águas Frias

Igreja de Nossa Senhora d...

Boas notícias: CMChaves n...

Geada

Geada

Geada

Bolideira

Pedra da Bolideira

Igreja de Nossa Senhora d...

Terceiro Passo (Via Sacra...

Igreja de São Miguel (Mat...

Capela de Santana (Santa ...

Castelo de Monforte de Ri...

Castelo de Monforte de Ri...

Igreja de Nossa Senhora d...

Tanque

Solar dos Montalvões

Hoje, São Sebastião em Vi...

Dia 20, vamos até ao São ...

Dia 20, vamos até ao São ...

Igreja de São Miguel (Mat...

Igreja de Nossa Senhora d...

Nosso Senhor dos Desampar...

Azeitona

Castelo de Monforte de Ri...

Castelo de Monforte de Ri...

Ex-escolas primárias

Romã

Igreja de Nossa Senhora d...

Arquivos

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

agricultura

águas de chaves

águas frias

aldeias

alturas do barroso

ama

ambiente

amial

amiar

amnistia internacional chaves

ana maria borges

antigamente

antónio souza e silva

ao acaso

aqi

aquanatur

aquavalor

arte digital

auto da paixão

barroso

berto alferes

boticas

camera collector

casa de cultura

cerdeira

chaves

chaves em festa

cidade de chaves

cogumelos

coleccionismo

comboios

contributos

desporto

dinis ponteira

esgotos

estrada nacional 2

exposições

fauna

faustino

feira do gado

feira dos santos

fernando ribeiro

festa comunitária

festa do reco

flora

fotografia

fotografia antiga

friães

galiza

humberto ferreira

j.b.césar

joão jacinto

joão madureira

lamartinedias

laura freire

legislação

lixo

lumbudus

máquinas fotográficas antigas

montalegre

museu de fotografia

n2

natureza

notícias

o poema infinito

old cameras

olhares

orçamento participativo

orçamento participativo 2015

outeiro seco

património

políticos

poluição

poluição em chaves

portugal

rapa das bestas

recortes

religião

rio tâmega

romeiro de alcácer

rota termal e da água

santarém

são sebastião

sarraquinhos

seara

sr. luís fernandes

sr.joãojacinto

suas cabras

telhado

termas de chaves

tiago ferreira

tradições

trás-os-montes

vamos até

verin

vidago

vidago palace hotel

vintage cameras

visit chaves

vítor afonso

todas as tags

Blogues Amigos




Creative Commons License

AVISO:
A cópia ou utilização das fotografias e textos aqui publicados são expressamente proibidas, independentemente do fim a que se destinam.
Berto Alferes

Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License

Lumbudus

Tradições

Património

Coleccionismo

Fauna

Flora

Aviso




Creative Commons License

AVISO:
A cópia ou utilização das fotografias e textos aqui publicados são expressamente proibidas, independentemente do fim a que se destinam.
Berto Alferes

Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

subscrever feeds