Outeiro Seco - AQI...

Tempo Outeiro Seco
Quarta-feira, 20 de Dezembro de 2017

Contributos - João Jacinto - "A Minha Consoada - António Granjo"

 

A Minha Consoada 

 

A Minha Consoada Logo ao anoitecer a mesa estava posta. Ao centro, a travessa com a pilha das rabanadas; aos lados, formando cruz os pratos do polvo frito, dos ovos verdes, dos bolos de bacalhau. Entre os braços da cruz, o arroz doce, a aletria, as filhozes.

 

BER_5449a.jpg

 

Numa banca, ao lado montes de pinhões, de avelãs e de amêndoas para depois da ceia se jogar ao rapa. Debaixo da mesa a braseira acumulada de brasas, trazidas da lareira, aquecia a sala. A geropiga transluzia no bojo das garrafas.

Nas canecas refervia o carrascão. O Pai subia as escadas vagarosamente. Sentia-se estalar as castanhas no assador. A Mãe acudia da cozinha para dar a última demão à mesa.

 

BER_5452a.jpg

 

O Pai sentava-se à cabeceira. E a garotada arrastava as cadeiras para se sentar cada um no seu lugar. Os creados sentavam-se à mesma mesa. Solenemente, o Pai partia o pão para cada um, e conforme ia dando em mão aos filhos, os seus olhos pousavam sobre eles molhados de ternura. A Mãe voltava à cozinha, e aí vinham as travessas de bacalhau com montanhas de batatas e couves.

 

BER_5456a.jpg

 

Começava a falar-se alto. A braseira queimava as pernas. Os copos e os pratos tilintavam. A outra cabeceira sentava-se a Mãe, mais perto do corredor para poder vigiar melhor a cozinha. Batia um pobre à porta. Ouvia-se os seus passos trôpegos subir as escadas e arrastarem-se pela cozinha até ao escano, cujas mesas estavam postas para os que viessem à procura de lume e da consoada.

Lá fora as árvores gemiam zurzidas pelo vento. Na noite escura, um ou outro desarrabaldado que se tinha deixado ficar mais tempo fora de casa, batia apressadamente a calçada com os socos ferrados.

 

_D700861a.jpg

 

A garotada enchia a casa com o seu claro riso. A Mãe levava o dedo ao nariz para os fazer calar ou acenava-lhes com a cabeça para o Pai, para que se lembrassem que deviam estar com modos à mesa diante dele. O Pai sorria. Nas paredes caiadas, a luz batia sobre os retratos, cercando-os de um doirado nimbo de alegria. De vez em quando os olhos dos dois encontravam-se, demoravam-se uns nos outros um instante, e uma lágrima os enevoava como uma onda de doçura.

Um bébé, começava a dormitar sobre o espaldar da cadeira. Um creado levava-o ao colo para a cama, com os braços pendentes e o rosto deitado para a luz, còradinho como um anjo do altar. Ouviam-se as palavras mansas dos pobres conversando à lareira. O cão de guarda rosnava no quintal. O vento sacudia a noite. O Pai erguia-se quando via que já ninguém tocava no último prato e que todos tinham bebido o último gole de jeropiga. Punha as mãos. Todos estavam já de pé com as mãos postas. Ia-se levantar a mesa e dar graças a Deus. À voz do Pai no silêncio que se fizera, dizia lentamente:

- Pelas benditas almas do Purgatório, padre-nosso, ave-Maria!

 

BER_5451a.jpg

 

Erguia-se o coro das orações murmuradas. Da lareira vinha o sussurro dos pobres que acompanhavam a oração. – Pelos que andam sobre as águas do mar, para que Nosso Senhor os leve a porto de salvamento, padre-nosso, ave-Maria!. Uma creada entrava e ficava de pé, com o terço pendurado nas mãos postas. – Por todos os transviados da casa do Senhor, para que a fé os ilumine e encontrem o arrependimento e salvação, padre-nosso, ave-Maria! Acabada a ave-Maria, o mais velho adiantava-se: Deite-me a sua bênção meu Pai! E voltando-se para a outra cabeceira:

- Deite-me a sua bênção, minha Mãe! O Pai respondia gravemente: - Deus te abençoe, meu filho! A Mãe tinha levado um lenço aos olhos e fora para a cozinha destinar a comida aos pobres. E era então que se jogava os pinhões, ao calor amigo da braseira, entre a alegria doida da noite. A espera do sono, antes que lhe fizessem a cama, um pobre contava uma história que aprendera nos caminhos, enquanto o toro de carvalho ardia e os seus olhos cansados de vagabundo seguiam a chama errante. E não se sabia ao certo como é que a gente se deitava, dormia toda a santa noite, acordava no dia seguinte com uma carícia das mãos da nossa Mãe, para ir ver à igreja matriz o presépio do Menino Deus.

António Granjo

(N 27121881 - F 19101921)

António_Granjoa.jpg

António Granjo

Foto: Wikipédia

 

Pesquisa e texto remetidos pelo Sr. João Jacinto

Contributos2014.jpg

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Adicionar aos favoritos
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Humberto Ferreira . Berto Alferes

Pesquisar neste blog

 

Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

"Roquinhas"

"Níscarro"

"Cabaça"

"Níscarros"

Hoje - Sessão pública de ...

"Repolgas"

"Cardielas"

"Tortulhos"

Ninho

Lembrete - Sessão pública...

Passarada

Azeitona

"Morogos"

Gotas de chuva

Sessão pública de apresen...

Passarada

"Roquinha"

São Martinho

"Fentos"

Borboleta

Ninho

Passarada

Feira do Gado

Jerimuns

Passarada

Cogumelo

Flores

Boas notícias: 2 anos de ...

Passarada

"Cachos do rio"

Arquivos

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

agricultura

águas de chaves

águas frias

aldeias

ama

ambiente

amial

amiar

amnistia internacional chaves

ana maria borges

antigamente

ao acaso

aqi

aquanatur

aquavalor

arte digital

auto da paixão

bagulhão

beçós

berto alferes

boticas

camera collector

carvalho

casa de cultura

castanheira da chã

cepêda

cerdeira

chaves

chaves em festa

cidade de chaves

cogumelos

coleccionismo

comboios

contributos

desporto

dinis ponteira

esgotos

estrada nacional 2

exposições

fauna

faustino

feira do gado

feira dos santos

fernando ribeiro

festa do reco

flora

fotografia

fotografia antiga

friães

galiza

humberto ferreira

j.b.césar

joão jacinto

joão madureira

lamartinedias

laura freire

legislação

lixo

lumbudus

máquinas fotográficas antigas

montalegre

museu de fotografia

n2

natureza

notícias

o poema infinito

old cameras

olhares

orçamento participativo

orçamento participativo 2015

outeiro seco

património

políticos

poluição

poluição em chaves

portugal

rapa das bestas

recortes

religião

rio tâmega

romeiro de alcácer

rota termal e da água

santarém

sarraquinhos

seara

sr. luís fernandes

sr.joãojacinto

suas cabras

telhado

termas de chaves

tiago ferreira

tradições

trás-os-montes

vamos até

verin

vidago

vidago palace hotel

vintage cameras

visit chaves

vítor afonso

todas as tags

Blogues Amigos




Creative Commons License

AVISO:
A cópia ou utilização das fotografias e textos aqui publicados são expressamente proibidas, independentemente do fim a que se destinam.
Berto Alferes

Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License

Lumbudus

Tradições

Património

Coleccionismo

Fauna

Flora

Aviso




Creative Commons License

AVISO:
A cópia ou utilização das fotografias e textos aqui publicados são expressamente proibidas, independentemente do fim a que se destinam.
Berto Alferes

Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Visitas:

subscrever feeds