Outeiro Seco - AQI...

Tempo Outeiro Seco
Sábado, 17 de Maio de 2014

Contributos - Sr. Luís Fernandes - “Parafanguice"

 

 

 

“Parafanguice”

 

 

Umas dores nas “cruzes” levaram-nos a um tratamento de Fisioterapia.

 

A sala da Clínica que escolhemos é ampla. Comporta bem uma dúzia de pacientes e os necessários equipamentos.

 

Pela maneira franca e aberta com que alguns conversam, quer entre si, quer com os fisioterapeutas, dá para entender o ambiente familiar e o sucesso das massagens, dos «piquinhos», dos exercícios e do «parafango».

 

Um «atleta», já mais avançado na idade do que nós, calhou na marquesa ao nosso lado direito.

 

Apanhou, estamos em crer, pedaços das nossas conversas ocasionais com os fisioterapeutas, e à saída, como início de contacto pessoal, disse: -

 

-“Eu também sou transmontano. E Flaviense”.

 

Cumprimentámo-lo com afecto e satisfação.

 

-“Ando há que tempos para ir à cidade, mas ainda não calhou” – acrescentou.

 

Este «ir à cidade» soou-nos mesmo à moda antiga da NOSSA TERRA. Lá na NOSSA ALDEIA, quando alguém tinha de tratar de algum assunto para lá da Fonte Nova dizia sempre aos vizinhos que tal dia ou tal hora «ia à cidade». E perguntava-lhes se queriam alguma coisa de .

 

O nosso companheiro de “parafanguices” tinha mesmo o ADN “flavínio”!

 

A ambulância de “Transportes de Doentes” esperava-o e nós apressámo-nos a prometer a continuação da conversa para o dia seguinte.

 

Assim aconteceu. Mas a conversa só se deu enquanto descíamos as escadas e a rampa de acesso à rua.

 

Pediu desculpa pelo atrevimento e o incómodo de nos tomar tempo.

 

- “Mas ontem, chegado a casa, não ganhei descanso enquanto não fiz estas duas letras que gostaria que lesse e, depois, pedisse ao seu amigo de um Blogue de CHAVES, de que ontem e outros dias tem referido, para fazer um poste, se é que não é abuso da nossa parte”.

 

-Não se acanhe. Farei como pretende. Depois dir-lhe-ei se o “post” foi feito.

 

-“Sabe, os caminhos da vida afastaram-me dos livros. Tenho andado mais chegado aos Jornais. A bola, o árbitro; o relvado, as quatro linhas; as cláusulas de rescisão, a altura, o peso, os índices de progressão do Jogador, e o nome da Academia onde se formou; o penalti, a goleada   -  agora já não se diz «uma abada»! … Ainda se lembra desta? …Uma vez o NOSSO DESPORTIVO levou uma abada do Braga de 13-0! E o nosso «keeper» foi o melhor em campo!

 

- Já vou! Já vou!  - respondeu para o bombeiro-condutor da carrinha de “Transportes de Doentes”

 

Notámos que os companheiros (e companheiras) de viagem estavam com pressa.

 

-Vá descansado. Havemos de ter tempo para uma longa conversa.

 

Chegámos a casa. Lemos o «bilhete». Demos volta «à cachimónia», a tentar apanhar alguma história ou alguma lenda dos tempos em que a Rua de Santo António se parecia com a “Piccadilly Circus”, e que nos tenha escapado.

 

Decidimo-nos por vir ao correio e mandar o bilhete ao autor de um Blogue de CHAVES.

 

Ei-lo:

 

(Ne varietur)

 

 

“””

 

“ Lembras-te, Trajano, daquele teu colega de Liceu, em Vila Real, para onde foste fazer o 6º e o 7º que te habilitariam à Universidade?

 

Não eras muito forte em Latim. Mas aquele teu conterrâneo, embora no 2º Ciclo de então, deu-te jeito nas lições do «Sum, es, esse, fui».

 

Sentavas-te com ele num dos bancos da Avenida Carvalho Araújo, aprendias melhor as declinações e os supinos. E lá ias todo contente, gabando as ajudas do teu amigo «arcipreste».

 

Tu seguiste para Coimbra.

 

Ele foi para Chaves. Dali partiu recrutado para um bacharelato em tácticas da Grande Guerra, que de pouco ou nada lhe valeram para a licenciatura em Guerrilha.

 

Na Bacia do Congo, na Baixa de Cassange, na Volta do Songo, nos Morros de Nambo ou nas Grutas de Bessa, experimentou a aritmética da traição, a geometria da imposturice, as equações da covardia, o grego da hipocrisia, o latim da falsidade, a história da mentira, a geografia das emboscadas, a química do medo, a anatomia da injustiça.

 

As soluções que encontrou estavam todas suspensas.

 

Amou o próximo.

 

Esqueceu-se de se amar a si mesmo.

 

Os anos passam. A auto-suficiência e a independência fazem, a muita gente, esquecer as ajudas, as palmadas de ânimo, as bóias de salvação, os empréstimos e os salvo-condutos que ajudaram à fortuna, ao sucesso, ao bem-estar, ou à conquista de boas parcelas de felicidade.

 

Alguém disse que «a ingratidão é o salário da vida».

 

Sabes, meu caro, o principal lema que adoptei para a vida que possa cumprir foi:

 

 – “Chama-me tudo, menos ingrato!”

 

Deixa-me que te lembre um outro:

 

-“Antes quero ter um bom nome do que ruim posse!”

 

Já agora, vou lembrar-te outro ainda, comum na NOSSA TERRA:

 

-“O DEVER é uma honra; o PAGAR é um brio!».

 

Claro, claro, quem tem tantos ideais é um idiota!

 

Pois seja!

 

Mas, sabes, subo e desço a Rua de Santo António, de Chaves, do Porto, de Olhão, da Guarda ou do ‘Rais que Parta’, de cabeça levantada, e olho toda a gente de frente, olhos nos olhos, sem pestanejar!

 

Quando vou a Chaves (e já há tanto tempo que aí falto!), alguns dos sexagenários e septuagenários que por aí ainda medram fazem há-de conta que não se lembram de mim.

 

Fazem eles muito bem. É que se me reconhecessem vinha-lhes a bílis à boca!

 

A cena que eu e eles protagonizámos com o Professor de Geografia no 5º Ano, lá no tal cortelho da Freiras; e a da aula de Físico-Química, no 7º Ano, naquela sala com vista para a Rua de Santo António, por causa do Salgado; ou a da rebeldia contra a travestida «ALA dos NAMORADOS» talvez lhes provoque uma aziazinha pela diferença entre o seu «ruminanço» “valenteiro e corajoseiro” fora de portas do Liceu e o «peito feito» de quem «até nem tinha razão de queixa» mas foi solidário!

 

Engraçado (sem ter graça nenhuma)!

 

Já reparaste que a maioria desses «merdas» acabou em Secretários de Estado, Directores-Gerais, poetas e escritores premiados, comendadores no 10 de Junho, deputados “filhos-da-puta“ no Parlamento ou nas Assembleias Municipais, vereadores e presidentes de Câmara e de Misericórdias, adidos no Zimbabué ou no Arquipélago de TONGA?!

 

Claro, clarinho, que no 26 de Abril de qualquer ano após 1974 todos ficaram ou nasceram com genes revolucionários, democráticos, anti-”faxistas”.

 

E só tu e eu, e mais alguns poucos, é que não entendemos o grande sacrifício, os actos de supremo egoísmo, (porra! é heroísmo que devemos escrever?!”) que esses «bandalhos» tiveram de cometer para nos levar a este «falso» estado de miséria e degradação nacionais, que é, nem mais nem menos, o frontispício de «janelas de oportunidades» que eles, os teus e meus ex-colegas, ex-amigos, ex-companheiros de armas, ou pós-qualquer coisa do que tu e eu tenhamos dito e feito, nos proporcionam para, amanhã, logo de manhã de um dia que nascerá daqui a mil anos, tu, eu e o «Zé Pagode» desfrutemos de uma vida regalada «à grande e a francesa»!

 

Para me despedir, deixa-me lembrar-te apenas duas grandes «visões» de um cacique local e de um refinado cretino nacional, por exemplo, para a Cultura e para a Saúde, respectivamente:

 

- Para o excomungado Presidente da Câmara da NOSSA TERRA a pedra de toque da Cultura está chapadinha e omnipresente nas “Concertinas dos Rapazes da Venda Nova”;

 

- Para o enjoado-bilioso maçónico, macaqueiro imitador de RUDOLPH HESS, a SAÚDE é imposta por decreto, sustentada com o aumento dos preços de medicamentos e tratamentos, e a «sã e risonha» longevidade certificada até aos 100 anos com  o “estreitamento” do  acesso aos Serviços de Tratamento de Doenças, especialmente passando para metade as possibilidades de transplantes de órgãos!

 

Claro, clarinho, que se «o gaijo» tiver uma unha encravada vai em jacto “particular-oficial” imediatamente a Londres, não, a Boston   -   que não dá tanto nas vistas!

 

Se o Purgatório é «uma invenção da padralhada para obter lucros com ele», o Inferno de vida dos Portugueses é a mina de ouro e de diamantes deste Governo.

 

Metade dos que nos têm governado comeu-nos a carne; a outra metade tem andado a comer-nos os ossos.

 

Estamos sepultados num “plácido sepulcro rodeado de esperança”.

 

Pois é, meu caro Trajano. Há que anos não te vejo. Mas gostava que estivesses com a mesma saúde e alegria com que nos víamos lá no “Camilo Castelo Branco”, ou no dia em que o “Delgado” pôs uma coroa de flores no “Carvalho Araújo” e discursou da varanda do “Tocaio”, lembras-te?!

 

Eu é que não me esqueci de ti.

 

E estimo-te (ab imo).

 

…. E CHAVES ainda está no mesmo sítio?”

 

Dever cumprido!

 

 

 

 

Luís Henrique Fernandes

 

 

Publicado por Humberto Ferreira às 00:05

Link do post | Adicionar aos favoritos
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Humberto Ferreira . Berto Alferes

Pesquisar neste blog

 

Fevereiro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

Posts recentes

Castelo de Monforte de Ri...

Águas Frias

Igreja de Nossa Senhora d...

Boas notícias: CMChaves n...

Geada

Geada

Geada

Bolideira

Pedra da Bolideira

Igreja de Nossa Senhora d...

Terceiro Passo (Via Sacra...

Igreja de São Miguel (Mat...

Capela de Santana (Santa ...

Castelo de Monforte de Ri...

Castelo de Monforte de Ri...

Igreja de Nossa Senhora d...

Tanque

Solar dos Montalvões

Hoje, São Sebastião em Vi...

Dia 20, vamos até ao São ...

Dia 20, vamos até ao São ...

Igreja de São Miguel (Mat...

Igreja de Nossa Senhora d...

Nosso Senhor dos Desampar...

Azeitona

Castelo de Monforte de Ri...

Castelo de Monforte de Ri...

Ex-escolas primárias

Romã

Igreja de Nossa Senhora d...

Arquivos

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

agricultura

águas de chaves

águas frias

aldeias

alturas do barroso

ama

ambiente

amial

amiar

amnistia internacional chaves

ana maria borges

antigamente

antónio souza e silva

ao acaso

aqi

aquanatur

aquavalor

arte digital

auto da paixão

barroso

berto alferes

boticas

camera collector

casa de cultura

cerdeira

chaves

chaves em festa

cidade de chaves

cogumelos

coleccionismo

comboios

contributos

desporto

dinis ponteira

esgotos

estrada nacional 2

exposições

fauna

faustino

feira do gado

feira dos santos

fernando ribeiro

festa comunitária

festa do reco

flora

fotografia

fotografia antiga

friães

galiza

humberto ferreira

j.b.césar

joão jacinto

joão madureira

lamartinedias

laura freire

legislação

lixo

lumbudus

máquinas fotográficas antigas

montalegre

museu de fotografia

n2

natureza

notícias

o poema infinito

old cameras

olhares

orçamento participativo

orçamento participativo 2015

outeiro seco

património

políticos

poluição

poluição em chaves

portugal

rapa das bestas

recortes

religião

rio tâmega

romeiro de alcácer

rota termal e da água

santarém

são sebastião

sarraquinhos

seara

sr. luís fernandes

sr.joãojacinto

suas cabras

telhado

termas de chaves

tiago ferreira

tradições

trás-os-montes

vamos até

verin

vidago

vidago palace hotel

vintage cameras

visit chaves

vítor afonso

todas as tags

Blogues Amigos




Creative Commons License

AVISO:
A cópia ou utilização das fotografias e textos aqui publicados são expressamente proibidas, independentemente do fim a que se destinam.
Berto Alferes

Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License

Lumbudus

Tradições

Património

Coleccionismo

Fauna

Flora

Aviso




Creative Commons License

AVISO:
A cópia ou utilização das fotografias e textos aqui publicados são expressamente proibidas, independentemente do fim a que se destinam.
Berto Alferes

Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

subscrever feeds